Teerã, 22 out (EFE).- O aiatolá Seyed Kazem Hosseini Haeri emitiu hoje uma fatwa - decreto religioso - no Irã em que estabelece que o pacto de segurança que está sendo negociado entre Iraque e Estados Unidos é proibido pela lei islâmica.

Segundo a agência oficial de notícias iraniana "Irna", o clérigo é iraquiano, embora resida no Irã, e é "um dos grandes aiatolás" da cidade santa xiita de Qom, ao sul de Teerã.

Haeri diz em sua fatwa que já tinha advertido anteriormente que o acordo é haram, ou seja, constitui um pecado para a religião muçulmana.

Além disso, o religioso condena no texto qualquer pessoa que colabore com as forças americanas no Iraque já que, segundo ele, estaria cometendo um pecado que Deus não perdoará.

"Trouxeram algo desagradável e falta pouco para que partam os céus, se abra a terra e as montanhas se desmoronem", disse sobre a ocupação americana, citando versículos do Corão, livro sagrado do islã.

Haedi adverte, além disso, que o pacto "destruirá a autoridade nacional do Iraque" e que "não é outra coisa, senão aceitar a humilhação".

Iraque e EUA negociam há meses um pacto de segurança que tem como objetivo definir o futuro da presença das forças americanas em solo iraquiano a partir de dezembro, quando expira o mandato da ONU dado às tropas estrangeiras. EFE msh/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.