Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Decisão de corte tailandesa não põe fim a impasse político

Por Sinfah Tunsarawuth BANCOC (Reuters) - Partidários e oponentes do governo eleito da Tailândia reagiram com revolta e alegria à dissolução do partido do governo na terça-feira, sugerindo que a decisão da corte não conseguirá sanar as profundas divisões sociais no país.

Reuters |

"O julgamento foi pré-determinado", disse a empresária pró-governo Rojarek Phalaburee, da província de Chiang Mai, no norte da Tailândia. "Continuaremos a protestar."

A Aliança do Povo pela Democracia (APD), de oposição, declarou o fim da ocupação de dois aeroportos de Bangcoc, que durou uma semana, em resposta à decisão da corte contra o Partido do Poder Popular (PPP), no poder.

Defensores do governo, no entanto, prevêem a retomada das hostilidades depois do aniversário do rei, em 5 de dezembro, pois a distância que separa as massas rurais (que amam o líder deposto e exilado Thaksin Shinawatra) da elite e da classe média de Bangcoc (que o desprezam) não mostra sinais de redução.

"Haverá mais pessoas vindo para se unir às forças pró-governo depois de 5 de dezembro", disse o advogado Supakorn Meekaiw.

A Aliança Democrática contra a Ditadura (DAAD, na sigla em inglês), pró-governo, promove agora uma manifestação diante da prefeitura de Bangcoc.

Supakorn disse que a ocupação de dois aeroportos da capital, promovida por manifestantes oposicionistas, já provocou o desemprego de um amigo seu, guia turístico, e impediu que outro enviasse bens a clientes do exterior.

No aeroporto Don Muang, onde manifestantes da APD permaneceram acampados por uma semana, o clima era de exaltação pela deposição de uma administração vista como uma marionete de Thaksin.

"Thaksin deveria ser executado", disse o funcionário público aposentado Chutamas Sae Koew. "Estamos aqui porque consideramos que o governo é corrupto. Eu me sinto culpado cada dia que não participo dos protestos."

Outros manifestantes da APD admitiram que a decisão da Corte Constitucional de retirar do poder o primeiro-ministro Somchai Wongsawat - cunhado de Thaksin - não terá muito impacto na resolução do impasse político.

"Ficarei satisfeito apenas quando o sistema colocado em prática por Thaksin chegar ao fim", disse um funcionário do Ministério do Interior. "Mesmo que Somchai tenha sido deposto, alguém o substituirá. Não valeu a pena o esforço", afirmou.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG