Debate mostra divergências de republicanos sobre política externa

Pré-candidatos à presidência dos EUA tiveram debates acalorados sobre retirada do Afeganistão e imigração ilegal

iG São Paulo |

Um debate entre os pré-candidatos republicanos à presidência dos EUA na noite de terça-feira mostrou a falta de unidade do partido quanto à política externa, após divergências sobre questões como o cronograma de retirada do Afeganistão e a imigração ilegal.

Embora tenham usado o mesmo tom duro para falar sobre o Irã e sobre a importância de proteger os Estados Unidos de ataques terroristas, os pré-candidatos tiveram uma série de discussões acaloradas durante o debate, realizado em Washington.

Leia também: Gafes de pré-candidatos incomodam republicanos

AP
Pré-candidatos republicanos ouvem hino nacional antes de debate em Washington (22/11)

O governador do Texas, Rick Perry, pediu a instalação de uma zona de exclusão aérea na Síria para proteger os civis da repressão do governo do presidente Bashar al-Assad. O ex-governador de Massachussetts Mitt Romney zombou da proposta rival, lembrando que o governo sírio usa principalmente forças terrestres contra a população. “Uma zona de exclusão aérea não seria a ação militar correta. Quem sabe uma zona de exclusão de veículos”, ironizou.

O ex-governador aproveitou para criticar o que chamou de “fracasso” da política externa do presidente Barack Obama que, segundo ele, “tenta ser amistoso com os inimigos dos EUA e mostra falta de respeito aos amigos dos EUA”. Ele citou, como exemplo, as divergências com Israel – que, segundo ele, será o primeiro país que visitá oficialmente se for eleito presidente.

Romney defendeu a permanência das tropas americanas no Afeganistão, sendo contestado pelo ex-governador de Utah Jon M. Huntsman, defensor de uma retirada rápida. “A principal ameaça para a segurança nacional atualmente é a situação econômica”, disse Huntsman. “Temos de recuperar a força econômica.”

Em uma declaração que pode lhe custar votos dos setores conservadores, o ex-presidente da Câmara Newt Gingrich, que vem subindo nas pesquisas, disse que apoiaria a permanência de alguns imigrantes ilegais no país – aqueles que estivesse no país há décadas e com os impostos em dia.

Gingrich argumentou que o Partido Republicano não podia se autointular defensor da família e “adotar uma política de imigração que destrói famílias que estão no país por metade de um século”.

Romney reagiu imediatamente e classificou a ideia como um "ímã" para futuros imigrantes ilegais, enquanto o senador Rick Santorum, da Pensilvânia, prometeu uma lei de imigração rígida.

A congressista Michelle Bachman também criticou Gringrich. “Acho que o ex-presidente da Câmara acaba de dizer que ele legalizaria 11 milhões de imigrantes ilegais que estão nos EUA hoje”, afirmou. Bachman também foi dura com Perry, a quem chamou de “muito ingênuo” por defender o corte de ajuda ao Paquistão, uma nação nuclear.

O próximo debate será realizado no dia 10 de dezembro em Iowa, Estado onde ocorrem as primeiras primárias republicanas para decidir o candidato oficial do partido.

Com EFE e The New York Times

    Leia tudo sobre: eleição nos euaeuarepublicanosobama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG