Debate entre vices colocará Palin sob os holofotes

Por John Whitesides ST. LOUIS, EUA (Reuters) - A republicana Sarah Palin e o democrata Joe Biden dividem o mesmo palco na quinta-feira, quando se realiza o debate entre os candidatos a vice-presidente dos EUA, mas o foco das atenções deve ser mesmo Palin, que se esforça para afastar as dúvidas sobre se estaria apta a ocupar o cargo.

Reuters |

O debate, o único a ser realizado pelos dois antes das eleições de 4 de novembro, promete ser mais dramático do que o normal -- e grande parte dessa carga dramática deve-se à estréia da republicana em um evento no qual terá de falar de improviso.

O encontro pode contar com uma audiência maior do que a de 52 milhões de pessoas que assistiram, na semana passada, ao primeiro debate entre os candidatos à Presidência dos EUA -- John McCain (republicano) e Barack Obama (democrata).

A surpreendente opção de McCain pela relativamente desconhecida Palin para dividir com ele a chapa presidencial conquistou apoio entre os conservadores e transformou a governadora do Alasca em uma celebridade do mundo da política.

No entanto, sua falta de experiência no cenário nacional e sua hesitação nas raras entrevistas que concedeu levantaram dúvidas a respeito das credenciais dela e geraram críticas mesmo entre alguns conservadores de peso.

A candidata a vice espera que uma atuação convincente no debate coloque fim ao bom momento vivido por Obama e deixe para trás as dúvidas sobre sua capacidade de liderar os EUA. McCain, 72, caso vença as eleições, seria o homem mais idoso a assumir o cargo em um primeiro mandato.

Em uma pesquisa do Washington Post/ABC divulgada na quinta-feira, 60 por cento dos eleitores entrevistados afirmaram que Palin não tinha a experiência necessária para ser presidente -- no mês passado, em uma enquete semelhante, 45 por cento opinaram dessa forma.

"Ela vai se sair bem hoje à noite", afirmou McCain ao canal MSNBC, rejeitando as críticas de que o comitê de campanha republicano errava ao afastar Palin dos microfones. "Ela tem experiência. Ela conhece os fatos. É uma pessoa forte. Eu tenho orgulho das conquistas dela. Tenho orgulho dela."

Biden, 65, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, enfrenta seu próprio conjunto de desafios ao tentar dominar-se para não cometer deslizes ou falar demais. O candidato a vice pelo Partido Republicano precisa ter cuidado para contestar Palin sem parecer condescendente ou agressivo.

O comitê de campanha de McCain lançou uma campanha publicitária pela internet ridicularizando Biden -- o anúncio destaca as observações dele sobre seu próprio QI supostamente alto, sobre o grande número de estrangeiros trabalhando em lojas de conveniência e sobre o fato de Hillary Clinton ser uma escolha melhor do que ele para dividir a chapa com Obama.

"Pronto para cometer gafes? Sim. Pronto para liderar? Não", afirma o narrador da peça publicitária.

(Reportagem adicional de JoAnne Allen)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG