Londres, 11 ago (EFE) - David Cameron, líder do Partido Conservador do Reino Unido, acusou hoje a Rússia de agir como uma grande e perigosa pistoleira por intervir no conflito da região separatista da Ossétia do Sul, na Geórgia.

"O que Rússia fez aqui é usar uma força enorme e desproporcional.

Violou a normativa internacional e violou a integridade territorial da Geórgia", disse Cameron à emissora publica britânica "BBC".

O líder conservador, a quem muitos observadores vêem como o futuro primeiro-ministro do Reino Unido devido à grande popularidade nas pesquisas de opinião, acredita que a comunidade internacional deveria responder ao desafio de Moscou.

"A única linguagem que entendem os pistoleiros é quando alguém lhes faz frente", disse Cameron, que pediu que se acelerem as negociações para que Geórgia se transforme em membro da Otan.

"Acho que a Geórgia deveria entrar na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e o calendário (para o acesso à Aliança Atlântica) deveria se agilizar", afirmou.

Além disso, o chefe dos conservadores pediu ao Governo britânico para colaborar com os aliados europeus e da Otan para deixar claro que as ações da Rússia são "completamente inaceitáveis".

Cameron reconheceu, no entanto, que a decisão da Geórgia de enviar na semana passada tropas à Ossétia do Sul foi "uma má estratégia", mas advertiu de "conseqüências muito graves" se a Europa não expressar em uníssono que a atitude russa é "equivocada".

EFE pa/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.