Dalai lama diz ter poucas esperanças de resultados em conversas com China

Nova Délhi, 10 mar (EFE).- O dalai lama admitiu hoje ter poucas esperanças de que as conversas com o Governo chinês deem resultados em breve, mas defendeu a continuidade do diálogo e incentivou o povo tibetano a perseverar em sua causa.

EFE |

"A julgar pela atitude da atual cúpula chinesa, há poucas esperanças de obter um resultado em breve. Mesmo assim, nossa postura de continuar com o diálogo permanece inalterada", disse o dalai lama em comunicado divulgado por ocasião do 51º aniversário da fracassada insurreição tibetana.

O líder tibetano disse que tentou dialogar com as autoridades chinesas durante mais de 30 anos com base no chamado "caminho do meio", uma proposta que prevê uma maior autonomia do território tibetano dentro da China e que, em sua opinião, "beneficia" as duas partes.

"Apesar de ter articulado claramente as aspirações tibetanas, que estão de acordo com a Constituição da República Popular China e a lei de autonomia regional, não obtivemos nenhum resultado concreto", lamentou.

O dalai lama chamou de "decepcionante" a ausência "de resposta positiva" por parte das autoridades chinesas, mas se mostrou esperançoso de que chegará o dia "em que a verdade prevalecerá".

Nenhuma das rodadas de diálogo entre chineses e tibetanos iniciadas em 2002 representou avanços no conflito entre a China e os tibetanos exilados.

Para o líder tibetano, é "evidente que a causa tibetana não é uma disputa entre os povos chinês e tibetano, mas surgiu por causa das políticas ultraesquerdistas das autoridades comunistas chinesas".

No Nepal, país onde vivem quase 20 mil tibetanos exilados, as forças de segurança detiveram hoje seis pessoas que se manifestavam para protestar contra o regime chinês por causa do aniversário da insurreição.

Segundo a agência nepalesa "NepalNews", quase 300 tibetanos exilados cantaram palavras de ordem contra a China e desfraldaram a bandeira tibetana nos arredores do principal mosteiro budista da capital do país, Katmandu. EFE mb/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG