Dalai Lama conversa com chineses pelo Twitter

Líder religioso e político, tibetano exilado conseguiu responder a perguntas de internautas via rede social

EFE |

O Dalai Lama, líder religioso e político tibetano exilado, conseguiu responder a perguntas de internautas chineses usando a rede social "Twitter" e mostrou que tem esperança em melhoras na situação do Tibete no futuro. Foi a primeira ocasião na qual o Prêmio Nobel da Paz manteve contato com um grupo grande de cidadãos da China, embora não se saiba quantas pessoas conseguiram acompanhar a conversa, já que o Twitter foi bloqueado pela censura oficial de Pequim.

O Dalai respondeu desde Nova York a algumas das mais de 1.200 perguntas que recebeu através da página no Twitter de Wang Lixiong, um intelectual chinês que tem postura crítica ao regime comunista. "Acho que em um futuro não muito distante haverá mudanças e os problemas se resolverão", afirmou o líder tibetano, que precisou utilizar respostas breves, já que o Twitter não permite mais de 140 caracteres por post.

O Dalai Lama destacou que suas críticas e suas demandas de maior autonomia para o Tibete se dirigem aos dirigentes da China, não aos cidadãos. "O Governo cria as tensões, não o povo". Nos últimos anos foram realizadas várias rodadas de conversas entre o Partido Comunista da China (PCCh) e representantes do Dalai Lama, embora com poucos resultados As críticas da China contra o Dalai Lama aumentaram após as revoltas tibetanas de março de 2008, as piores em 20 anos, quando Pequim afirmou que pessoas próximas ao líder budista organizaram os distúrbios premeditados, aproveitando a proximidade dos Jogos Olímpicos de Pequim.

O Twitter está censurado na China há um ano, quando a ferramenta e outras como Facebook e YouTube foram bloqueadas, coincidindo com as revoltas uigures em Xinjiang (ao norte do Tibete) e o tenso cinquentenário da fuga do Dalai Lama à Índia. No entanto, muitos cidadãos chineses conseguem driblar a censura chinesa para acessar páginas proibidas, como com o uso de conexões privadas ou de servidores de internet no exterior.

    Leia tudo sobre: Dalai Lamatwitter

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG