Dados e informações gerais sobre o Paraguai

ASSUNÇÃO - Dados e informações gerais sobre o Paraguai, que realiza eleições neste domingo.

EFE |

NOME OFICIAL: República do Paraguai.

LOCALIZAÇÃO: Centro da América do Sul. Faz fronteira com o Brasil (leste), a Argentina (sul e oeste) e a Bolívia (norte).

SUPERFÍCIE: 406.752 quilômetros quadrados.

DIVISÃO POLÍTICA: 17 departamentos e 1 Departamento Central.

POPULAÇÃO: 6.009.143 habitantes (2006).

CAPITAL: Assunção, com 519.361 habitantes (2006).

IDIOMA: espanhol e guarani (oficiais).

RELIGIÃO: cristianismo (96,4%).

CONSTITUIÇÃO: 1992.

GOVERNO: República presidencialista.

PRESIDENTE: Nicanor Duarte, desde 15 de agosto de 2003.

LEGISLATIVO: Bicameral - Senado (45 membros) e Câmara dos Deputados (80).

JUDICIÁRIO: A máxima instância é a Corte Suprema de Justiça, composta habitualmente por nove magistrados com categoria de ministros.

PARTIDOS POLÍTICOS: Os principais são Partido Colorado, Aliança Patriótica para a Mudança (APC), União Nacional de Cidadãos Éticos (Unace), Partido Pátria Querida (PPQ), Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA) e Movimento Popular Tekojoja (MPT).

MOEDA: Guarani.

PIB: US$ 8,4 bilhões (2006).

INFLAÇÃO: 6% (2007).

EVOLUÇÃO POLÍTICA: O Partido Colorado está no poder desde 1947, incluindo os 35 anos de ditadura de Alfredo Stroessner (1954-89).

Com a derrocada de Stroessner, que se exilou no Brasil até sua morte, em 16 de agosto de 2006, tem início um processo democrático.

O ditador deixou o poder em 3 de fevereiro de 1989, após um golpe militar liderado pelo general Andrés Rodríguez.

Em 1º de maio do mesmo ano, Rodríguez ganha as eleições presidenciais, e nas gerais de 9 de maio de 1993 é eleito presidente Juan Carlos Wasmosy, do ainda governante Partido Colorado.

Wasmosy foi o primeiro civil a ocupar o cargo em quatro décadas, e acabou sucedido por Raúl Cubas, outro dirigente "colorado" e que de última hora havia substituído o ex-general golpista Lino Oviedo, que teve sua candidatura impugnada. Oviedo foi indultado três dias após Cubas assumir o poder.

A decisão provocou uma grave crise política, que levou à renúncia de Cubas e à chegada à Presidência de González Macchi, então presidente do Congresso, em 28 de março de 1999, depois do assassinato do vice-presidente Luis María Argaña e da morte de sete manifestantes contrários a Oviedo.

Em 27 de abril de 2003, Nicanor Duarte ganhou as eleições gerais com 37,14% dos votos, frente ao candidato do Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA) Julio César Franco, que obteve 23,95%. Em 15 de agosto de 2003, Duarte substituiu González Macchi.

Nesse pleito, concorreu pela primeira vez o Partido Pátria Querida (PPQ), com Pedro Fadul como candidato. O PPQ ficou na terceira posição, com 21,27%. EFE lb/fr/mh

    Leia tudo sobre: eleições no paraguai

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG