Dados e informações gerais sobre o Iraque

O Iraque realiza eleições provinciais neste fim de semana. Veja os dados e informações gerais sobre o país.

EFE |

NOME OFICIAL: República do Iraque.

LOCALIZAÇÃO: Ásia ocidental, na Península Arábica. Faz fronteira com Turquia (norte); Síria e Jordânia (oeste); Arábia Saudita e Kuwait (sul); Irã (leste); e Golfo Pérsico (sudeste).

SUPERFÍCIE: 438.317 quilômetros quadrados.

POPULAÇÃO: 29,5 milhões de habitantes (2008).

CAPITAL: Bagdá.

IDIOMAS: Árabe e curdo (oficiais).

RELIGIÃO: Islamismo (96%), cristianismo e outras. Os xiitas representam 60% da população, e os sunitas, 30%.

CONSTITUIÇÃO: 2005.

GOVERNO: República parlamentarista. A autoridade do governo conta, no entanto, com a limitação imposta pela presença de cerca de 150 mil soldados estrangeiros, 143 mil deles dos Estados Unidos.

O contingente americano começará a deixar o Iraque ao longo do primeiro semestre deste ano, segundo pacto assinado recentemente entre Washington e Bagdá, e que prevê retirada total antes de 2012.

PRIMEIRO-MINISTRO: Nouri al-Maliki.

PRESIDENTE: Jalal Talabani.

LEGISLATIVO: Unicameral - Conselho dos Representantes, com 275 cadeiras.

PRINCIPAIS PARTIDOS POLÍTICOS: A principal coalizão xiita do país é a Aliança Unida Iraquiana (AUI), que tem como principais membros a Assembleia Suprema da Revolução Islâmica (ASRI), do clérigo Abdel Aziz al-Hakim; e o Dawa, do primeiro-ministro Nouri al-Maliki.

A frente Aliança Patriótica Democrática do Curdistão, reúne, por sua vez, o Partido Democrático do Curdistão e a União Patriótica do Curdistão, entre outros.

Já a Frente Iraquiana para o Diálogo Nacional (FIDN), de cunho sunita, tem como principal integrante o Partido Islâmico Iraquiano.

MOEDA: Dinar iraquiano.

PRINCIPAL FONTE DE RENDA: Petróleo, com cerca de 2,5 milhões de barris diários. Integra a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), embora atualmente esteja excluído do sistema de cotas do cartel devido à instabilidade política e à violência.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO POLÍTICA: Após a vitória das tropas aliadas sobre o regime do ditador Saddam Hussein, a reconstrução e a democratização do país estão sendo tortuosas. Em 30 de janeiro de 2005 foram realizadas as primeiras eleições legislativas após a queda do regime de Saddam, que ocorreu em abril de 2003.

Na ocasião, a coalizão AUI saiu-se vencedora. Ibrahim al-Jaafari foi eleito primeiro-ministro. Em abril, o curdo Jalal Talabani foi nomeado presidente.

Em 15 de outubro desse mesmo ano foi aprovada em plebiscito a nova Constituição e, nesse processo rumo à democratização, em 15 de dezembro ocorreram novas eleições, na qual xiitas e curdos consolidaram sua vitória.

No entanto, a formação do primeiro governo estável do pós-guerra, que ficou sob responsabilidade do xiita Nouri al-Maliki na condição de primeiro-ministro, também não contribuiu para a pacificação do país. A violência acabaria deixando milhares de mortos.

Em 2007, o Iraque registrou uma notável melhora em sua situação com relação à segurança, consolidando sua posição em 2008, quando o Parlamento conseguiu aprovar a legislação eleitoral do país.

Leia mais sobre Iraque

    Leia tudo sobre: iraque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG