Custo de desastres foi de US$ 225 bilhões em 2008

Genebra, 18 dez (EFE).- Cerca de 238 mil pessoas morreram este ano por causa de catástrofes, tanto naturais quanto causadas pela intervenção do homem, o quarta maior número registrada desde 1970, enquanto o custo econômico desses desastres chegou a US$ 225 bilhões.

EFE |

Segundo a companhia de resseguros Swiss Re, dessa quantia, US$ 50 bilhões foram cobertos por algum tipo de seguro, o que fez com que 2008 fosse o segundo ano mais custoso em perdas seguradas.

As catástrofes mais devastadoras em termo de vidas foram o ciclone "Nargis", que atingiu Mianmar e causou a morte de cerca de 138 mil pessoas, e o terremoto na China, no qual 87 mil pessoas morreram.

Além disso, a maior parte dos bens destruídos em ambos os casos não estavam segurados, segundo a Swiss Re.

Dos US$ 50 bilhões de perdas que foram reembolsados, US$ 43 bilhões corresponderam a desastres naturais, com a maior proporção (US$ 39 bilhões) causada por furacões.

Apenas o furacão "Ike" gerou reivindicações no valor de US$ 20 bilhões, seguido do furacão "Gustav", em US$ 4 milhões, enquanto, na Europa, a tempestade "Emma" causou danos de US$ 1,4 bilhão.

As catástrofes causadas pelo ser humano "continuaram sendo custosas para a indústria de seguros em 2008", afirma a Swiss Re, que mencionou, em particular, as explosões e incêndios, com danos no valor de US$ 4,8 bilhões.

Além disso, foram contabilizados danos a fábricas e armazéns industriais no valor de US$ 2,1 bilhões, e outros relacionados à atividade petrolífera e de gás (excluindo os furacões em alto-mar) de US$ 1,5 bilhão. EFE is/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG