Cúpula deve discutir combate ao tráfico nuclear, diz documento

WASHINGTON (Reuters) - Os líderes mundiais que estarão presentes a uma cúpula de segurança nuclear na semana que vem vão se comprometer em conter o comércio ilegal de material nuclear e colocar todos os estoques vulneráveis sob controle dentro de quatro anos, de acordo com um documento preliminar. Uma fonte com acesso ao documento afirmou que os mais de 40 líderes da cúpula de Washington, entre 12 e 13 de abril, prometerão endurecer a perseguição aos traficantes, melhorar a contabilidade do material nuclear de gradação própria para armamentos e trabalhar melhor em conjunto para pôr fim a tais casos.

Reuters |

O comunicado também incluirá uma proposta dos Estados Unidos "para tornar seguro todo o material nuclear vulnerável em quatro anos", disse a fonte, citando o documento.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que fez da não proliferação nuclear um dos elementos centrais de sua política externa, conduzirá a reunião da semana que vem com os líderes, que incluirão os da Rússia, da China, da Índia, de Israel e do Paquistão.

Dois países excluídos do encontro são o Irã, acusado pelos EUA de tentar desenvolver armas nucleares, e a Coreia do Norte, que detonou artefatos nucleares duas vezes, apesar da promessa de abandonar seus programas atômicos.

Uma fonte confirmou os detalhes do documento preliminar divulgados pelo Wall Street Journal, incluindo uma proposta exortando os países a converter os reatores nucleares que usam combustível altamente enriquecido --que pode ser usado com maior facilidade em armas nucleares do que o urânio de baixo enriquecimento-- em reatores usando combustível de baixo enriquecimento.

Uma segunda fonte disse que isso estava em debate, mas não estava claro se estaria na versão final.

As fontes afirmaram que o documento preliminar também pede pelo fortalecimento do papel da Agência Internacional de Energia Atômica na garantia do cumprimento dos tratados nucleares e pede que os países compartilhem informações sobre suspeitas de incidentes de tráfico.

(Reportagem de Andrew Quinn e Arshad Mohammed)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG