Cúpula de Nova York avançou muito pouco no caminho para Copenhague

A cúpula da ONU sobre meio ambiente permitiu aos líderes do mundo proclamar a necessidade urgente de se atuar contra o aquecimento do planeta, mas houve poucos compromissos concretos.

AFP |

Um número recorde de mais de 100 países participaram da reunião extraordinária organizada em Nova York na véspera da abertura do debate anual da Assembleia-Geral da ONU.

Os países ricos e os emergentes tentam chegar a um acordo sobre o tema crucial do financiamento da redução das emissões de CO2, já que estes consideram que sem ajuda financeira não podem atuar.

O objetivo era obter avanços suficientes às vésperas da cúpula de Copenhague prevista para dezembro na qual se tentará chegar a um acordo que deverá entrar em vigor quando expirar a primeira fase do Protocolo de Kyoto, em janeiro de 2013, para deter de maneira coercitiva o excesso de emissões de gases causadores do efeito estufa.

No entanto, o encontro de Nova York decepcionou a maioria. Nem o presidente chinês Hu Jintao nem seu colega Barack Obama, que estrearam no foro mundial, fizeram propostas capazes de desbloquear as negociações.

O primeiro-ministro sueco Fredri Reinfelt pediu aos participantes que "saiam do beco sem saída". "Estamos a 76 dias da conferência de Copenhague, mas as negociações avançam de forma muito lenta".

À frente da terceira maior economia do mundo, considerada o país que mais polui no mundo, o presidente chinês, Hu Jintao, se comprometeu a reduzir "significativamente" o aumento das emissões de gases poluentes de seu país daqui até 2020, mas sem indicar números precisos.

Já Obama pediu aos países em desenvolvimento que tomem medidas para reduzir suas emissões, embora tenha admitido que são medidas difíceis de serem adotadas após a crise financeira.

"Todos nós enfrentamos dilemas e dificuldades em nossas próprias capitais quando buscamos uma solução duradoura para o desafio climático", disse Obama.

Durante o governo de Obama, a Câmara de Representantes dos Estados Unidos adotou este ano pela primeira vez um projeto de lei destinado a reduzir as emissões dos Estados Unidos, mas o texto foi bloqueado no Senado.

O primeiro-ministro japonês Yukio Hatoyama, que também participa do foro mundial pela primeira vez, foi um dos poucos a fazer promessas concretas.

Hatoyama disse que a segunda economia mundial reduzirá em 25% suas emissões para 2020, em relação ao nível de 1990.

"Um fracasso sobre um acordo amplo em Copenhague será moralmente indesculpável, economicamente míope e politicamente irresponsável", advertiu o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

O presidente boliviano Evo Morales acusou o capitalismo de ser a raiz profunda do problema e disse que em Copenhague exigirá que os países ricos paguem a "dívida climática".

"O aquecimento global não é uma causa, e sim um efeito, é um resultado do sistema capitalista, que persegue o maior ganho possível, sem levar em conta a vida dos demais", disse Morales.

O presidente do pequeno arquipélago de Maldivas, no Oceano Índico, Mohamed Nasheed, fez um apelo dramático aos líderes mundiais.

As ilhas estão ameaçadas de ficar submersas se o aquecimento do planeta provocar um aumento do nível do mar e Nasheed lamentou que os dirigentes se abstenham mais uma vez de tomar medidas concretas.

"Quando a retórica acabar e os delegados se retirarem, a simpatia se desvanecerá junto com a indignação e o mundo continuará igual a antes", disse Nasheed. "Alguns meses depois, voltaremos ao mesmo", lamentou.

Já o ex-vice-presidente americano e Prêmio Nobel da Paz, Al Gore, não se mostrou tão pessimista e afirmou que acha positivas as promessas de ações chinesa e japonesa contra o aquecimento do planeta.

"A China mostra um espírito de iniciativa impressionante para lutar contra o aquecimento climático", declarou Al Gore à imprensa, em um foro realizado à margem da cúpula.

Os objetivos de redução, antes de 2020, do aumento das emissões de CO2 da China vinculado a seu crescimento econômico apresentados pelo presidente Hu Jintao "não são insignificantes", estimou Gore.

Ao citar, além disso, os investimentos importantes feitos pela China em termos de energia eólica e solar, Al Gore afirmou que todos esses esforços são importantes.

"E dispomos de todas as indicações que mostram que, em caso de progressos importantes nas negociações (de Copenhague), a China estará pronta para fazer inclusive mais".

Al Gore felicitou igualmente o novo primeiro-ministro japonês e o compromisso de seu país de reduzir as emissões de gás de efeito estufa, além de anunciar um aumento das ajudas aos países pobres na luta contra o aquecimento global.

ltl/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG