Paris, 13 jul (EFE).- Mais de 40 chefes de Estado ou Governo da Europa e do sul do Mediterrâneo promovem hoje o Processo de Barcelona: União pelo Mediterrâneo, uma iniciativa que busca restabelecer a cooperação bilateral sobre um plano de igualdade.

A Cúpula da União pelo Mediterrâneo (UPM), que não contou somente com a participação da Líbia, quer dar um novo vigor ao Processo de Barcelona, o mecanismo de cooperação que começou na cidade espanhola no final de 1995.

A cúpula começará às 10h30 (de Brasília), e durante a manhã os ministros de Exteriores tentarão resolver os últimos problemas pendentes da declaração final da reunião.

Além disso, o anfitrião, o presidente francês e de turno da União Européia (UE), Nicolas Sarkozy, continuará uma intensa atividade diplomática com uma reunião conjunta com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, e o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert.

Além disso, o presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, se reunirá com a ex-candidata à Presidência da Colômbia Ingrid Betancourt, recém resgatada após seis anos seqüestrada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Os únicos chefes de Estado e Governo que não estarão presentes são o rei Muhammad VI, do Marrocos, representado por seu irmão, o príncipe Moulay Rachid, e o líder líbio, Muammar Kadafi, que não quis participar do encontro.

Já foram definidos projetos para a descontaminação do Mediterrâneo, a criação de estradas marítimas para unir portos vizinhos, um plano de desenvolvimento de energia solar, a criação de uma universidade em comum, o estabelecimento de um mecanismo de créditos para pequenas e médias empresas e um programa comum de Defesa Civil. EFE rcf/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.