Zahra Rahnavard, mulher do líder da oposição iraniana, Mir Hossein Moussavi, denunciou nesta quinta-feira a detenção de seu irmão por autoridades de Teerã, informou a agência Ilna.

Zahra Rahnavard explicou que seu irmão, Shahpour Kazemi, um engenheiro de telecomunicações de 62 anos, foi detido há mais de um mês e que todas as tentativas empreendidas para obter sua libertação fracassaram.

Ela advertiu as autoridades contra qualquer publicação de "confissão forçada" de seu irmão.

"Se vocês extorquirem uma confissão a Kazemi ou publicarem centenas de artigos contra ele, nem eu, nem nosso povo acreditaremos uma palavra sequer", avisou.

Apesar das detenções de várias de seus partidários, Moussavi continua denunciando as "fraudes" registradas durante a eleição presidencial de 12 de junho, que marcou a vitória do presidente Mahmud Ahmadinejad, e pedindo a realização de uma nova votação.

Desde o dia 12 de junho, centenas de pessoas que participaram de gigantescas manifestações contra a reeleição de Ahmadinejad foram detidas. Pelo menos 20 morreram.

De acordo com dirigentes iranianos, algumas das pessoas detidas confessaram trabalhar para potências estrangeiras com o objetivo de desestabilizar o país.

Os opositores desmentiram categoricamente estas alegações, afirmando que as confissões foram arrancadas através de tortura.

"Tentamos por todos os meios legais e pacíficos obter sua libertação e a de outros prisioneiros", afirmou Rahnavard, ressaltando que seu irmão "não é uma personalidade política" e que "as alegações segundo as quais ele teria provocado tumultos ou manteria contatos com o exterior são inimagináveis".

fpn/yw/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.