Cubanos compram eletrodomésticos após fim de restrições

HAVANA - A venda irrestrita de eletrodomésticos começou na última terça-feira em Cuba. Houve fila nas lojas, mas, por causa dos baixos salários, as vendas não devem ser grandes. As lojas foram autorizadas a vender dezenas de eletroeletrônicos outrora proibidos, como fornos microondas, televisores de tela plana e até computadores.

Redação com Reuters |

As mudanças até agora:


Cubana leva para casa aparelho de DVD Foto: AFP

'Isto deveria ter sido feito há muito tempo. Eles nunca deveriam ter sido proibidos', disse Felipe, engenheiro de 53 anos, que esperava impaciente na fila para comprar seu primeiro aparelho de DVD.

Esta família comprou uma televisão Foto: AFP

Com uma renda média de 17 dólares por mês, os cubanos não podem comprar muitos dos novos itens à venda, mas mesmo aqueles que não têm condições se alegraram com a mudança.

Os produtos mais vendidos eram os de menores preços, como as panelas de pressão, cujo valor ia de 17 a 54 dólares, e os aparelhos de DVD da Philips e da Panasonic, que custavam entre 118 e 162 dólares -- mais caros do que em outros países, mas bem mais baratos do que no agitado mercado negro de Cuba.
Leia mais sobre: Cuba

    Leia tudo sobre: cuba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG