Cuba reconhece que 85% de suas construções precisam de reparos

Havana, 9 jul (EFE).- Dos 47 mil imóveis com mais de três andares que há em Cuba, 85,1% (mais de 40 mil) precisam de alguma obra de reparação, disse o Instituto Nacional da Habitação (INV, na sigla em espanhol) em reunião com uma comissão parlamentar, segundo a imprensa local.

EFE |

O presidente do INV, Víctor Ramírez, respondeu aos deputados da Comissão de Indústria e Construções do Parlamento que "a falta de materiais não permite avançar como requer esse programa" de reabilitação de edificações, segundo informações de hoje do jornal oficial "Juventud Rebelde".

Ramírez disse que ainda cumprindo o plano de construção de 50 mil novas casas no país para este ano, apenas se cobriria entre 5% e 7% da demanda reivindicada acumulada, que chega a um milhão de imóveis entre reparação e construção.

O funcionário informou que, entre janeiro e junho deste ano, foram concluídas 22.558 obras, equivalentes a 45,1% do plano atual.

Ramírez disse que a carência de transporte para transferir os materiais de construção e a insuficiente capacidade para empreender novas casas e realizar trabalhos de manutenção dos imóveis impedem o cumprimento dos planos.

Os integrantes da Comissão parlamentar dizem que "a mais elementar avaliação econômica permite compreender facilmente que o país não tem dinheiro nem materiais para se propor hoje empenhos superiores".

Além disso, consideraram "inaceitável" que diferentes organismos e instituições não cumpram com os compromissos firmados com o programa, quando em mais de uma oportunidade tinham assegurado que estavam preparadas.

O presidente da Comissão, Carlos Liranza, disse que foram encontradas em várias províncias atrasos no começo das construções, problemas de qualidade nas obras, deficiências de organização em sua direção e irregularidades como o roubo e a venda ilegal de materiais.

O vice-presidente cubano Carlos Lage anunciou que no próximo ano as direções municipais de habitação serão as encarregadas de elaborar o plano, de acordo com os recursos disponíveis, preparação das obras e prioridade em sua execução, segundo a Agência de Informação Nacional.

Além disso, o ministro da Construção, Fidel Figueroa, informou que este ano estão previstos 250 mil consertos, dos quais foram executados até junho cerca de 133 mil, 53% do plano.

O Governo de Raúl Castro anunciou para 2008 a construção de 50 mil novas casas, 20 mil a menos que as programadas para 2007.

No ano passado, foram construídas 52.607 casas, o que supôs o descumprimento do programa estatal pelo segundo ano consecutivo, em um país no qual, segundo cálculos oficiais, há um déficit de mais de 600 mil alojamentos e o problema da habitação é um dos que mais afetam a vida cotidiana dos cidadãos. EFE rmo/rb/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG