Prisioneiros não fazem parte do grupo de 52 presos políticos que governo começou a libertar em julho

Nove presos cubanos foram informados pelas autoridades que poderão ser libertados caso aceitem o exílio na Espanha, informou nesta segunda-feira Elizardo Sánchez, chefe da Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional.

Segundo Sánchez, os presos foram informados de que poderiam levar até oito parentes com eles para o exílio. Eles não estão no grupo de 52 presos políticos que o governo de Raúl Castro começou a libertar em julho, após um diálogo com a Igreja Católica que recebeu o apoio da Espanha.

Entre os nove presos, três foram condenados à prisão perpétua em 2003. Leudis Arce, Lázaro Avila e Francisco Reyes sequestraram um avião comercial para desviá-lo aos Estados Unidos. A comissão de Direitos Humanos considera-os prisioneiros políticos.

Também entre os nomes está Pavel Hernandes, condenado a seis anos de prisão por tentar sair de Cuba ilegalmente. Os demais presos foram condenados por pirataria, roubo e terrorismo, e cumprem penas que variam entre seis e 15 anos.

Números

Os números de dissidentes presos em Cuba são controversos. De um lado, a Anistia Internacional afirma que apenas um prisioneiro de consciência permanecerá em Cuba caso o governo siga adiante com o plano de libertar os 52 prisioneiros nos próximos meses. Este preso é o advogado Rolando Jimenez Posada, e o grupo de direitos humanos - que cunhou o termo prisioneiro de consciência na década de 1960 - pediu que Cuba o liberte também.

Antes do anúncio da última libertação planejada, a Comissão Cubana de Direitos Humanos, grupo independente que é tolerado na ilha, mas não é reconhecido pelo governo, afirmou que o número de presos políticos atualmente está em torno de 167.

Outros grupos, porém, dizem que o número real é muito maior.

O Human Rights Watch não especifica um número exato, mas inclui em seu registros os nomes de pessoas que foram presas nos últimos anos pelo vago crime de "periculosidade".

Com AFP, AP e New York Times

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.