Cuba pede suspensão de embargo dos EUA

O governo cubano pediu aos Estados Unidos que suspendam por seis meses o embargo imposto ao país há mais de 40 anos, para que lide com os danos causados por furacões.

BBC Brasil |

Em nota divulgada no jornal oficial, Granma, o governo cubano agradece a ajuda humanitária oferecida pelas autoridades americanas, dizendo que "nosso país não pode aceitar uma doação do governo que nos bloqueia".

Mas o governo cubano ressalta que "está disposto a comprar os materiais indispensáveis que as empresas americanas exportam aos mercados".

A nota solicita ainda que o governo americano também permita a bancos e instituições privadas e oficiais do país para concederem a Cuba créditos "normais em todas as operações comerciais" para financiar as compras.

"Se o governo dos Estados Unidos não deseja fazê-lo definitivamente, o de Cuba solicita que ao menos o autorize durante os próximos seis meses", afirma a declaração.

O governo americano havia oferecido inicialmente cerca de US$ 100 mil, com a possibilidade de aumentar esse montante após avaliação de uma equipe que os Estados Unidos se dispunham a enviar a Cuba.

As autoridades cubanas, contudo, recusaram a ajuda, dizendo que "não necessita de assistência de um grupo de avaliação humanitária para verificar os danos e necessidades pois conta com especialistas suficientes, que praticamente já concluíram este trabalho".

O país foi afetado por vários furacões em poucos dias, especialmente por Gustav e Ike e, segundo as autoridades, destruíram mais de 90 mil casas, causando danos no valor de milhões de dólares.

O Ministério do Açúcar informou que Ike destruiu quase a metade da colheita anual de cana.

Cuba recebeu ajuda de vários países latino-americanos e europeus. Entre eles estão Brasil, Rússia e Espanha.

Os Estados Unidos impuseram o embargo a Cuba em 1962, pouco depois da chegada de Fidel Castro ao poder.

Leia mais sobre: Cuba

    Leia tudo sobre: cuba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG