Cuba e Brasil querem maior parceria em mineração, agricultura e saúde

Empresários de Cuba e Brasil, segundo sócio comercial da ilha na América Latina, buscam novas vias para ampliar a cooperação bilateral nas áreas de mineração, agricultura, educação e saúde, informou a imprensa local nesta terça-feira.

AFP |

"Continuamos cooperando em agricultura, meio ambiente, saúde, mineração, informação, informática, finanças" e "identificaremos novas áreas, nas quais possamos estabelecer novas investigações, pesquisas", declarou à TV cubana a diretora-geral da Agência Brasileira de Cooperação, Andréia Regueira.

Regueira lidera a delegação brasileira na VIII Reunião do Grupo de Trabalho e Cooperação Técnica Cuba-Brasil, que manterá discussões até sexta-feira, em Havana.

"A intenção de Cuba é avançar na ampliação e no desenvolvimento de novos projetos que contribuam para uma elevação do nível das relações", disse o vice-ministro cubano de Investimento Estrangeiro e Cooperação Econômica, Orlando Requeijo, citado pelo jornal oficial "Granma".

As relações econômicas e comerciais bilaterais receberam um forte impulso, em maio, com a chegada do chanceler brasileiro, Celso Amorim, para concretizar dez acordos assinados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando esteve em Cuba, em janeiro, e convidou seu homólogo cubano, Raúl Castro, a visitar o Brasil.

O Brasil foi um dos primeiros países a enviar ajuda de emergência (15 toneladas de alimentos) para os cubanos afetados pelos furacões Ike e Gustav, que deixaram um prejuízo de mais de 5 bilhões de dólares.

De acordo com números oficiais cubanos, o intercâmbio comercial entre Cuba e Brasil superou, em 2007, os 450 milhões de dólares, fazendo do gigante sul-americano o segundo sócio comercial da ilha no subcontinente, atrás apenas da Venezuela.

rd/tt

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG