chantagem de opositor em greve de fome - Mundo - iG" /

Cuba diz que não aceita chantagem de opositor em greve de fome

HAVANA (Reuters) - Cuba disse nesta segunda-feira que não aceitará pressões nem chantagens ao referirse-se à greve de fome iniciada há 13 dias pelo dissidente cubano Guillermo Fariñas para pedir a libertação de presos políticos doentes. O jornal oficial Granma disse que Fariñas, um psicólogo de 48 anos que iniciou seu jejum devido à morte de outro dissidente após protesto similar, é um traiçoeiro de conduta anti-social.

Reuters |

"A manipulação é tamanha que reportagens chegam a argumentar que o governo cubano indicou para que deixem morrer este assalariado da Seção de Interesses dos EUA em Havana", disse o artigo do diário.

"Cuba... não aceitará pressões nem chantagens", afirmou a nota, assinada pelo jornalista Alberto Núñes Betancourt.

O artigo informa que o estado de saúde do dissidente apresenta "uma deterioração significativa".

Fariñas iniciou sua greve de fome após a morte do dissidente Orlando Zapata, morto em fevereiro após um jejum de 85 dias, que levou a críticas internacionais sobre a situação dos direitos humanos no governo de Raúl Castro.

O jornal afirmou que Fariñas usou o jejum no passado "para escapar da Justiça", após ter sido condenado a três anos de prisão por agredir uma funcionária de um centro de saúde onde trabalhava como psicólogo.

Fariñas diz que esta é a sua 23a greve de fome. Em 2006, ele realizou um jejum durante vários meses que provocou sua internação e sua alimentação via intravenosa.

O Granma disse que Fariñas recebeu "cuidados especializados" apesar de sua condição de "mercenário".

O governo cubano considera opositores como Fariñas traidores a serviço de seu inimigo Estados Unidos.

Grupos de direitos humanos na ilha afirmam que há cerca de 200 presos políticos em cadeias cubanas.

(Reportagem de Rosa Tania Valdés)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG