Genebra, 3 mar (EFE).- O ministro de Assuntos Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parilla, disse hoje que há uma campanha internacional contra o seu país, dentro da qual mercenários são apresentados como patriotas e agentes pagos pelos Estados Unidos são pintados como dissidentes.

Em discurso no Conselho de Direitos Humanos da ONU, o chanceler cubano, sem citar nomes, se referiu ao caso do dissidente Orlando Zapata Tamayo, que morreu há uma semana após 2,5 meses de greve de fome para que fosse reconhecido como "preso de consciência".

Rodríguez disse que uma "poderosa maquinaria não hesita em utilizar um detento condenado por crime comum e apresentá-lo como um lutador dos direitos humanos".

Ele também acusou os EUA de terem levado Zapata "à morte para obter ganhos políticos" e garantiu que o dissidente recebeu "esmerados cuidados médicos". EFE is/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.