Cuba cogita reduzir participação do Estado na economia

Por Marc Frank HAVANA (Reuters) - O regime comunista cubano deveria avaliar formas de transferir mais responsabilidades econômicas para as mãos de produtores privados, a exemplo do que fez o presidente Raúl Castro com a agricultura, disse o principal comentarista econômico do país nesta terça-feira.

Reuters |

Em sua aparição habitual na TV estatal, Ariel Terrero não chegou a propor uma administração privada, mas sugeriu que setores como os serviços alimentícios e o varejo teriam um desempenho melhor se fossem geridos de outra maneira.

"Na economia cubana, há necessidade de buscar fórmulas mais dinâmicas, mais inteligentes, de entender a propriedade, de administrar um negócio, de administrar uma cafeteria", disse ele.

Cerca de 90 por cento da economia cubana está sob controle estatal.

Terrero citou reformas agrícolas promovidas por Raúl, que incluem a descentralização do processo decisório, maior ênfase nas cooperativas e fazendas privadas e a cessão de terras a cerca de 80 mil indivíduos.

"O arrendamento de terras estatais, que afinal é colocar a propriedade estatal nas mãos dos produtores, poderia ser aplicada a outros setores, por exemplo nos serviços alimentícios, no comércio varejista e outras áreas onde é realmente impossível, diante da diversidade e escopo, que o Estado administre diretamente."

Terrero, que costuma comentar assuntos econômicos na imprensa estatal, rigidamente controlada, disse que grandes operações concentradas, como usinas de níquel, fábricas de açúcar, hotéis e redes elétricas, não funcionam sob os mesmos moldes que uma oficina de consertos ou uma cafeteria.

"Acho que essa diversidade exige um novo pensamento sobre os conceitos e a maneira de entender a propriedade na economia cubana", afirmou.

Raúl Castro substituiu definitivamente seu irmão Fidel como presidente no ano passado, e desde então promove medidas para tornar o governo e a economia mais eficientes.

Em março, em meio à pior crise financeira no país desde o fim da União Soviética (1991), Raúl realizou uma ampla reforma ministerial, inclusive em cargos econômicos.

Terrero disse que as atuais dificuldades podem dar origem a reformas, lembrando que o "período especial" da década de 1990 resultou em uma abertura a investimentos externos, ao turismo e a alguns pequenos negócios familiares.

Recentemente, a Reuters teve acesso a um relatório oficial que sugeria mudanças semelhantes. O estudo do Ministério da Economia e Planejamento culpava os furacões, o embargo norte-americano e a crise global pela falta de liquidez que provocou reduções nas importações, nos orçamentos públicos e no consumo energético. O texto, porém, também apontava a existência de alguns antigos problemas estruturais.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG