CS diz que pobreza ameaça estabilidade do Haiti

Nações Unidas, 19 mar (EFE).- A delegação do Conselho de Segurança (CS) da ONU que recentemente visitou o Haiti constatou que a miséria que assola o país representa uma ameaça à sua frágil estabilidade política, disse hoje o embaixador da Costa Rica nas Nações Unidas, Jorge Urbina.

EFE |

O diplomata centro-americano, que liderou a missão à nação antilhana, disse em reunião do CS que "a comunidade internacional tem um compromisso com o êxito do Haiti".

"Para a missão, ficou evidente que os atuais níveis de pobreza extrema, de acordo com os quais 80% dos haitianos sobrevivem com menos de US$ 2 ao dia e 50%, com menos de US$ 1, são incompatíveis com a meta de alcançar a estabilidade a curto prazo", afirmou.

Durante a visita ao país caribenho, que se estendeu de 11 a 14 de março, a delegação do CS se reuniu com o presidente haitiano, René Préval, com a primeira-ministra Michelle Pierre Louis, com parlamentares e com representantes da oposição, do setor privado e da sociedade civil.

Ao falar hoje no CS, Urbina destacou que as autoridades haitianas devem promover "um consenso nacional para conseguir não só a estabilização e a segurança, mas também a construção de um desenvolvimento socioeconômico sobre bases sólidas".

"Os interlocutores haitianos nos apontaram a importância de o trabalho com a comunidade internacional continuar" em prol da "implementação de uma estratégia de reconstrução e desenvolvimento", declarou.

O embaixador disse ainda que, durante a visita, os representantes do CS constataram avanços na área de segurança e progressos na reforma e no fortalecimento do estado de direito.

No entanto, a delegação também comprovou "a fragilidade" institucional do país, a falta de controle nas fronteiras terrestres e marítimas e o carregado ambiente político que permeia as eleições legislativas de 19 de abril. EFE jju/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG