Cruz-credo

Não me abençoe, não reze por mim e, pelo amor de Deus, não fale bem de mim. São súplicas que os senadores McCain e Obama gostariam de fazer aos seus guias espirituais, mas não têm coragem, porque correm o risco de perder votos.

BBC Brasil |

E a eleição.

O senador Obama fez um discurso em 18 de março, agora famoso, sobre raça para se livrar de 20 anos de bençãos e sermões do pastor Jeremiah Wright, que amaldiçoou os Estados Unidos, disse que o governo criou a Aids para eliminar as minorias, explicou que o ataque às torres foi semente plantada pelos americanos, glorificou o radical Louis Farrakhan, líder dos muçulmanos americanos e diz que o país é racista.

Até republicanos falaram bem do inspirado discurso de Obama, que se recusou a romper e condenar os sermões do seu pastor.

Disse que não concorda com muitos deles, mas perdoou Jeremiah Wright, que comparou com os comentários perdoáveis da avó.

Você pode ter certeza que esta conexão com Wright e a avó vai persegui-lo com muito mais fervor num futuro próximo e ainda maior em outubro: por que durante 20 anos ouviu em silêncio os sermões do pastor?
As conexões de McCain com seus pastores são tão ou mais pecaminosas. Se Obama for o candidato, como todas as pesquisas e previsões indicam, em outubro vamos ver uma guerra de comerciais na televisão sobre guias espirituais.

O senador McCain, há oito anos, chamou os líderes da direita cristã de agentes da intolerância. Ele se referia aos evangélicos Pat Robertson e Jerry Falwell, que abençoaram George W. Bush e deram a ele votos decisivos para a vitória nas duas eleições.

Falwell e Pat Robertson também viram os ataques às torres como castigo divino pela tolerância com gays, feministas, aborto, células tronco, mas McCain, que condenou Falwell em 2000, foi o orador da formatura da Liberty Universty, de Falwell, em 2006, e participou da Noite Pró-Israel do reverendo em Washington ano passado.

Falwell e Robertson são relativamente moderados. McCain tem apoio mais perigoso dos radicais poderosos como Rod Parsley, de Ohio, que faz conexões entre planejamento familiar e nazismo e pede a destruição do Islamismo.

O senador conquistou votos de moderados republicanos, independentes e até democratas porque era um candidato que foi contra o corte dos impostos do presidente Bush, bateu firme no secretário Rumsfeld pela estratégia da guerra no Iraque, foi a favor da imigração e se recusou a participar de um movimento para banir pesquisas com células-tronco.

Em resumo, um político independente e diferente, que contestava a direita republicana.

Hoje o senador é a favor dos impostos de Bush, contra a imigração e ainda contra estratégias da guerra, mas a favor do "surge" e da presença das tropas. Desde o início McCain foi a favor da invasão.

Em fevereiro, o senador cavou fundo a bênção/endosso do influente reverendo John C. Hagee, que tem programas de rádio duas vezes por dia em 75 estações de rádio e 125 estações de televisão.

O reverendo chama a Igreja Católica de "a grande prostituta" que conspirou com Hitler para exterminar os judeus, diz que Katrina é punição divina pelos pecados de Nova Orleans e defende um ataque de americanos e israelenses contra o Irã.

Agora o senador McCain foge do reverendo como o diabo da cruz e nenhum dos dois fala do endosso.

Esta semana os candidatos McCain, Obama e até Hillary Clinton, que não tem bênçãos malditas mas tem endossos suspeitos, estão temporariamente fora do noticiário pelos depoimentos do general Patraeus e do embaixador Crockerno Congresso sobre a situação do Iraque, mas nos próximos comícios e sermões, os guias espirituais vão infernizar as vidas de Obama e McCain.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG