Cruz Vermelha Internacional celebra os 60 anos da Convenções de Genebra

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha celebra nesta quarta-feira o 60º aniversário das Convenções de Genebra, reafirmando a validade destas leis cada vez mais ridicularizadas pelos combatentes e questionadas nos últimos anos pelos Estados Unidos.

AFP |

"Constatamos regularmente violações do direito humano internacional no território, indo do deslocamento em massa de civis atingidos em combates a maus-tratos de prisioneiros", denunciou o presidente do CICR, Jakob Kellenberger, em um comunicado.

Na véspera da comemoração das quatro convenções assinadas em 12 de agosto de 1949 sobre a proteção dos civis, dos prisioneiros, feridos e trabalhadores humanitários em conflitos, ele lançou mais uma vez apelo ao respeito destas leis fundamentais.

"A base, a pedra angular, o coração destas convenções continua valendo", insistiu o chefe da divisão jurídica do CICR, Knut Doermann, tentando liquidar as dúvidas emitidas por Washington e Londres.

Na campanha iniciada pela administração do presidente George W. Bush em resposta aos atentados de 11 de setembro de 2001, algumas regras internacionais foram questionadas.

A organização fundada em 1863 e que desempenha papel de guardiã das convenções confirmadas por 194 países entrou em conflito com a Casa Branca, em particular sobre o tratamento dos prisioneiros afegãos, submetidos a detenções secretas e a torturas, contrárias às leis.

"A pertinência das leis humanitárias internacionais foi questionada diante da complexidade crescente dos conflitos armados, a dificuldades de fazer uma distinção entre combatentes e civis e também pelo fenômeno do terrorismo", reconheceu Kellenberger.

Mas, segundo o responsável, não há dúvidas de que as regras existentes continuem sendo apropriadas e o principal desafio do CICR é melhorar a aplicação destas leis.

O novo presidente americano Barack Obama virou a página deste diferendo com o CICR antes mesmo de sua investidura no fim de janeiro, dando seu apoio às Convenções de Genebra.

No entanto, a situação no território, continua difícil. Segundo a ONG Oxfam, as violências no Afeganistão, Colômbia, República democrática do Congo ou ainda no Sudão constituem exemplos perfeitos do desdobramento dos conflitos modernos sobre os civis.

pac/at/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG