Cruz Vermelha diz que a situação dos civis em Gaza é cada vez mais precária

Genebra, 10 jan (EFE).- A situação dos civis palestinos na Faixa de Gaza é cada vez mais precária, especialmente daquelas pessoas presas em áreas de combate, afirmou hoje o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) quando a ofensiva israelense entra em sua terceira semana.

EFE |

"O CICV recebe dezenas de ligações de pessoas pedindo ajuda.

Ontem recebemos uma de uma família de 40 pessoas, entre elas 20 crianças, de uma casa da região de Netzarim. Disseram-nos que não bebiam água há seis dias, pois o seu poço havia sido destruído", declarou uma funcionária da Cruz Vermelha em Gaza.

Ela mesma teve que se refugiar com 17 membros de sua família na casa de uma tia, após fugir de sua residência por causa da insegurança.

Também estão recebendo muitas ligações de pessoas pedindo notícias de familiares que ficaram em zonas inacessíveis da Faixa de Gaza, dividida em várias partes pelas forças israelenses.

Com as linhas de telefone fixas danificadas, as redes de celulares sobrecarregadas e sem eletricidade para recarregar estes aparelhos, é cada dia mais difícil entrar em contato com familiares em Gaza.

Continua sendo muito alto o número de pessoas às quais não se consegue levar ajuda, em meio a uma crescente pressão sobre a população.

"Nós também estamos frustrados de não poder fazer mais. As operações de resgate são abortadas muitas vezes pela impossibilidade de se chegar a algum lugar, pois são cada vez mais perigosas", declarou um paramédico da organização.

"Escutar estas palavras dos paramédicos palestinos, que estão entre os mais valentes do mundo e que estiveram trabalhando no meio do fogo e em condições muito difíceis, nos faz pedir com força ainda maior um acesso seguro para os feridos", disse Antoine Grand, diretor do escritório do CICV em Gaza.

Hoje, a entidade facilitou a passagem segura de cinco veículos dos bombeiros para apagar um enorme incêndio causado por um bombardeio israelense na parte norte da Cidade de Gaza.

Funcionários do CICV continuam esperando a autorização israelense para escoltarem ambulâncias do Crescente Vermelho para as localidades de Beit Lahya e Zaytun para retirar feridos.

Os hospitais de Gaza continuam usando geradores, e nos últimos dois dias não foi possível levar material médico para hospitais no sul da localidade.

Foi suspenso o transporte de pacientes para Rafah para sua transferência para o Egito, por causa da falta de segurança, assim como o transporte de funcionários da área de saúde que vivem no sul e que deviam cumprir seus turnos de trabalho no hospital de Shifa, na Cidade de Gaza. EFE vh/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG