Cruz Vermelha denuncia participação de médicos em torturas da CIA

Profissionais da área da saúde tiveram participação nos severos interrogatórios e maus-tratos a suspeitos de terrorismo em prisões secretas da CIA em flagrante violação da ética médica, concluiu um informe confidencial do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

AFP |

O pessoal médico supervisionou e algumas vezes participou da prática chamada de "submarinos" (simulação de afogamento) aplicada em suspeitos de terrorismo, ou esteve presente quando os prisioneiros foram lançados contra a parede, submetidos a temperaturas extremas, privados de alimentos ou impedidos de dormir durante vários dias, segundo o relatório de fevereiro de 2007 e divulgado apenas na segunda-feira na internet.

"Eu me preocupo com teu corpo só porque precisamos de informação", disse um dos médicos ao prisioneiro Encep 'Hambali' Nuraman, segundo o relatório da Cruz Vermelha.

O documento afirmou que a suposta participação do pessoal da saúde nos interrogatórios constituiu uma flagrante violação da ética médica e, em alguns casos, equivaleu a participar "em torturas e maus-tratos, desumanos e humilhantes".

Pelo menos cinco cópias do relatório foram enviadas a altos funcionários da CIA e da Casa Branca em 2007, mas não foram divulgados à opinião pública para preservar a neutralidade da política do CICR, disseram porta-vozes do organismo.

oh/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG