Cruz Vermelha critica complacência de países ricos frente a epidemias

(Embargada até as 21h de Brasília) Genebra, 5 jul (EFE).- A complacência dos países desenvolvidos e ricos frente às epidemias se transformou em uma séria ameaça sanitária, e seu resultado é o ressurgimento de doenças que estavam erradicadas nessas nações, segundo um relatório da Federação Internacional da Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho (FICV).

EFE |

O responsável de emergências sanitárias da FICV, Tammam Aloudat, disse à Agência Efe, ao apresentar o relatório, que entre as epidemias das quais o mundo rico estava livre, mas que estão retornando, estão o sarampo, a gripe e a forma mais resistente de tuberculose.

O especialista comparou as epidemias com as guerras, mas disse que as primeiras são ainda piores, porque "os agentes infecciosos são 'espertos', se adaptam, não têm piedade e não podemos negociar com eles".

"Não ganhamos a guerra e talvez agora estamos mais longe de conseguir isso que antes, pois, a cada ano, 14 milhões de pessoas morrem por causa de doenças infecciosas", disse Aloudat, em entrevista coletiva.

Neste sentido, lamentou que a gripe suína concentre a atenção pública, enquanto outras infecções são muito mais mortais.

"Este ano, mais pessoas foram infectadas do que nunca pela meningite e mais pessoas contraíram pólio, que estava perto de ser erradicada, mas não é assim", afirmou.

A situação é tão grave em certos lugares do mundo que a expectativa de vida nesses locais é equivalente ao que era há 10 mil anos, disse Aloudat, ao apresentar o relatório da FICV.

O estudo denuncia também a ausência de uma resposta adequada perante o crescente impacto das epidemias no desenvolvimento socioeconômico dos países mais pobres, o que levou a uma situação que denomina "fratura epidêmica".

A este respeito, revela que a dengue - doença com mortalidade anual relativamente baixa e que ficou em 18 mil - afeta, no entanto, 9 milhões de pessoas que não podem levar uma vida normal devido à doença, a grande maioria em países pobres.

Prova de que a situação se agrava é que as intervenções da FICV perante epidemias triplicaram entre 2004 e 2007, enquanto, entre 2007 e 2008, o número de pessoas atendidas por essa causa cresceu 15,4%.

"Esse aumento indica mais capacidades (de atendimento), mas também que os focos continuam sendo uma grande carga para a saúde e a economia, sobretudo, nos países em desenvolvimento", afirma o relatório.

Só no primeiro trimestre de 2009, as sociedades nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho atenderam mais de 10,6 milhões de pessoas por epidemias, frente a um total de 16,3 milhões em 2008.

Além disso, o relatório explica que, embora as doenças não transmissíveis, como o câncer e as cardiovasculares, sejam agora a principal causa de mortalidade mundial - seis em cada dez mortes -, isso esconde a gravidade do problema das patologias infecciosas - três em cada dez mortes.

Os problemas relacionados com a gravidez, o parto e os problemas nutricionais são responsáveis de uma em cada dez mortes. EFE is/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG