Paris, 19 jul (EFE) - Uma organização contra o anti-semitismo se somou hoje à polêmica na imprensa em torno de uma crônica de um chargista da revista satírica Charlie Hebdo, Siné, demitido por se recusar a pedir desculpas a Jean Sarkozy, o filho mais velho do presidente francês, Nicolas Sarkozy. Em uma crônica publicada no dia 2, Siné escreveu que Jean Sarkozy acaba de declarar que quer se converter ao judaísmo antes de se casar com a noiva, judia, e herdeira dos fundadores de (a cadeia de distribuição) Darty. Chegará longe.

Diante da recusa de Siné em se desculpar perante a família Darty e diante de Jean, protagonista de uma ascensão política fulgurante no histórico reduto eleitoral do pai perto de Paris, o diretor da "Charlie Hebdo", Philippe Val, demitiu o chargista no início da semana.

Val afirmou que as palavras de Siné sobre Jean e sua noiva não só propagavam "o rumor falso" da conversão do jovem ao judaísmo, mas, sobretudo, "podiam ser interpretadas" como o estabelecimento de uma relação entre "conversão ao judaísmo e êxito social", algo "não aceitável nem defensável perante um tribunal".

Em comunicado divulgado hoje, a Liga Internacional contra o Racismo e o Anti-semitismo defendeu a decisão de Val de "sancionar as palavras indignas" de Siné sobre o jovem Sarkozy.

"As alegações de tráfico de influência e de cinismo" e a "sórdida conexão" entre o dinheiro e os judeus pertencem aos "tempos mais miseráveis do anti-semitismo dos séculos XIX e XX", afirmou a entidade, que ameaçou recorrer aos tribunais.

Quem já decidiu entrar com uma ação por difamação foi o próprio Siné, segundo seu advogado.

Ele entrou com um processo contra um jornalista da revista "Le Nouvel Observateur", que dedicou um artigo ao assunto.

Além disso, processará "todos os que, ao chamar injustamente Siné de 'anti-semita' e 'porco', provocaram sua demissão" e "arruinaram o compromisso de toda uma vida em favor da tolerância, a liberdade de expressão e a igualdade entre todos os usuários do planeta Terra", indicou o advogado.

O próprio Siné disse há poucos dias à imprensa local: "Reprovo Jean Sarkozy por se converter por oportunismo. Se tivesse se convertido à religião muçulmana para se casar com a filha de um emir, seria igual. E igual também se fosse a filha de um católico", disse. EFE al/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.