Santiago do Chile, 9 mai (EFE).- A presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, será madrinha de um bebê que nasceu no Chile no dia 11 de março enquanto ela visitava um hospital instalado pela Argentina após o terremoto no país vizinho, segundo o site do jornal "Las Últimas Noticias".

Santiago do Chile, 9 mai (EFE).- A presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, será madrinha de um bebê que nasceu no Chile no dia 11 de março enquanto ela visitava um hospital instalado pela Argentina após o terremoto no país vizinho, segundo o site do jornal "Las Últimas Noticias". A mãe do bebê, Sara Maldonado, disse ao jornal que conheceu a presidente no dia 11 de março, após dar à luz sua filha Anahís, no hospital de campanha instalado pela Argentina em Curicó, a cerca de 200 quilômetros ao sul de Santiago. Cristina foi até o local depois de assistir em Valparaíso à posse do presidente chileno, Sebastián Piñera. "Contaram a ela que tinha nascido a primeira bebê no hospital e veio para me cumprimentar. Conversamos por cinco minutos e me perguntou como eu estava. Estava super bonita, bem arrumada", lembrou a mãe. Na segunda-feira passada, a mulher foi informada de que a presidente queria ser madrinha de sua filha. "Fui ao hospital argentino, porque minha filha estava resfriada, justamente na hora em que o embaixador (da Argentina Ginés González) estava lá. Me disse que estava tentando me localizar há muito tempo, porque sua presidente queria ser a madrinha da minha filha", contou. Sara aceitou a proposta e quis que o embaixador também fosse o padrinho. O diplomata se comprometeu a entrar em contato com a mãe para organizar o batismo. "Me disse que tenho que dizer onde quero que seja, na Argentina ou aqui no Chile. Nunca imaginei que algo assim fosse acontecer", contou. A mãe não sabe onde o batismo acontecerá, mas quer ser avisada em breve, "para começar a juntar dinheiro", disse. EFE frf/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.