Cristina Fernández pede fim de assimetrias entre Mercosul e UE

Buenos Aires, 9 mai (EFE) - A presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, afirmou hoje que as diferenças entre o Mercosul e a União Européia (UE) devem ser resolvidas politicamente, depois de receber em Buenos Aires o chanceler da Áustria, Alfred Gusenbauer.

EFE |

"As dificuldades nas assimetrias com a União Européia devem ser liquidadas desde a parte política", assinalou a governante durante um almoço na sede da Chancelaria argentina em homenagem ao chefe de Governo austríaco, que chegou hoje à Argentina.

A presidente argentina, país que integra o Mercosul junto com o Brasil, Paraguai e Uruguai, e o chanceler austríaco estarão entre os presentes na 5ª Cúpula América Latina-Caribe-União Européia (EU-LAC) que será realizada entre 16 e 17 de maio em Lima.

As negociações para um acordo de associação entre UE e Mercosul estão estagnadas desde finais de 2006 fundamentalmente pela questão dos subsídios agrícolas e não se prevê que sejam reatadas enquanto não houver algum tipo de resultado na Rodada de Desenvolvimento de Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Em seu discurso, Cristina ressaltou a necessidade de que os convênios que são assinados entre nações ou blocos de países beneficiem todas as partes envolvidas.

"Os acordos políticos e econômicos, como os da vida, têm que ser aproveitados pelas duas partes, porque quando uma da partes sente que se aproveita da outra e a outra é mais forte, não se vê a necessidade dos acordos", expressou.

Além disso, a chefe do Estado traçou um paralelo entre o processo de consolidação do bloco europeu e o Mercosul, ao assinalar que Argentina e Brasil "devem ter um papel importante" nesse processo e compará-lo com o papel de Alemanha e França na UE.

Cristina também voltou a defender a incorporação plena da Venezuela ao Mercosul, para o que falta a aprovação parlamentar de Paraguai e Brasil.

Segundo ela, a entrada da Venezuela servirá para "fechar a equação de energia e alimentos" na região.

Em outra ordem, a presidente disse que "é um bom sinal" que o chanceler da Áustria tenha chegado a Buenos Aires com uma grande comitiva de empresários, que, em sua opinião, viaja ao exterior "só quando pode haver bons negócios e rentabilidades" Gusenbauer, por sua parte, destacou "a excelente relação" existente entre Argentina e Áustria, além de se mostrar otimista quanto à possibilidade de que os empresários que lhe acompanham "alcancem uma estreita relação" com seus pares argentinos.

Cristina assinou na Casa de Governo uma série de convênios de cooperação bilateral com Gusenbauer, que, depois, se encontrou com o chanceler argentino, Jorge Taiana. EFE hd/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG