Crise não afeta modernização de forças russas, diz Medvedev

Por Denis Dyomkin PETROPAVLOVSK-KAMCHATSKY, Rússia (Reuters) - O presidente russo, Dmitry Medvedev, disse nesta quinta-feira que a modernização das Forças Armadas do seu país não será afetada pela atual crise financeira global.

Reuters |

"A despeito de qualquer crise, devemos construir novos submarinos, devemos simplesmente tratar da modernização das Forças Armadas", disse Medvedev aos tripulantes do submarino nuclear "São Jorge, o Vitorioso", durante visita a uma base naval na península de Kamchatka, no extremo oriente.

"Nosso país tem meios e recursos para isso", acrescentou o presidente, em declarações transmitidas pela TV.

O antecessor de Medvedev, Vladimir Putin, fez da recuperação das Forças Armadas, negligenciadas na primeira década pós-soviética, um símbolo da ressurreição russa e um argumento adicional na assertiva política externa do Kremlin.

Medvedev, que tomou posse em maio, enfrenta além da crise financeira um atrito com o Ocidente por causa da ocupação da Geórgia, em agosto.

O presidente diz que aquele confronto demonstrou a necessidade russa de equipar seu Exército com armas mais atualizadas. Putin, hoje primeiro-ministro, diz que o orçamento militar vai crescer 28 por cento no próximo ano.

Ao contrário de Putin, que já voou em um caça supersônico, passeou de submarino nuclear e apareceu fardado, Medvedev vinha adotando um estilo mais "civil" nas suas visitas a instalações militares.

Nesta quinta-feira, porém, o advogado de 43 anos, fã de Internet e ioga, foi com farda da Marinha à base naval de Vilyuchinsk.

Acompanhado de outras autoridades, ele visitou o submarino construído em 1978 e equipado com mísseis transcontinentais, capazes de transportar ogivas nucleares. Medvedev tomou chá com os tripulantes, a quem prometeu mais programas sociais e habitacionais.

"Estamos falando de dezenas de bilhões de rublos (bilhões de dólares)", disse Medvedev aos marinheiros. "Acho que vamos finalmente resolver o problema da habitação digna para os militares."

Medvedev disse que nem a pressão ocidental nem as preocupações econômicas -- que ameaçam a fase de prosperidade advinda dos preços elevados do petróleo -- vão afetar o compromisso do governo com o fortalecimento militar.

"No que diz respeito aos outros problemas globais, temos uma economia sustentável. Temos suficientes recursos materiais e intelectuais para não depender de ninguém", disse.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG