Crise global faz empresários dormirem menos, diz pesquisa

Bruxelas, 18 mai (EFE).- Os diretores de empresas dormem 19% menos que as oito horas recomendadas, e 40% deles atribuem isso à crise econômica, segundo um estudo publicado hoje pela companhia elétrica holandesa Philips.

EFE |

A pesquisa, elaborada em cinco países - Holanda, Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos e Japão - aponta que são os americanos os mais propensos a perder horas de sono devido ao estresse no trabalho.

Dos procurados pela pesquisa nos EUA, 30% atribuíram a alteração de suas horas de descanso a esse motivo, contra 12% registrados na Holanda, país menos exposto.

Os holandeses são também os que mais dormem, 24% mais que outras nacionalidades.

Em Alemanha, Reino Unido e Japão sofrem de insônia ou dormem poucas horas devido ao trabalho 27%, 24% e 20% dos questionados, respectivamente.

A maioria dos entrevistados (61%) reconheceu que seu já trabalho foi afetado por uma noite de sono incompleta.

Segundo os dados da Philips, não descansar o suficiente se traduz em perdas milionárias para as companhias, já que repercute no rendimento de 6,2 dias de trabalho de média ao ano.

No Reino Unido, onde a média chega a 6,7 dias ao ano, se calcula uma perda de 850 libras (US$ 1.150) por empresário, o que custa à economia britânica perto de 3,630 bilhões de libras (US$ 5,555 bilhões) anuais.

"Dormir não é opcional. É crucial para a saúde", afirma o diretor médico da Philips, David White, que assegura que não descansar o suficiente pode provocar aumento de peso, diabetes e até infartos.

EFE mrn/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG