Washington, 21 dez (EFE) - O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, que hoje anunciou a criação de um grupo de trabalho para defender a classe média, aumentou para três milhões suas metas para a criação ou manutenção do emprego. Obama, que está no Havaí para passar o Natal, antes de tomar posse de seu cargo, em 20 de janeiro, havia inicialmente fixado o objetivo de criar 2,5 milhões de postos de trabalho, anunciou em novembro. No entanto, segundo contaram hoje fontes democratas, ele esteve em uma sessão informativa na terça-feira passada sobre a situação da economia americana, na qual se concluiu que a recessão atual será pior que o imaginado. Ao longo de 2009, serão perdidos cerca de quatro milhões de empregos nos Estados Unidos, segundo esses prognósticos, e o índice de desemprego pode chegar a rondar 9% da população ativa, contra os atuais 6,7%. Segundo as fontes, Obama pediu então a seus assessores para pensar com ousadia em possíveis soluções. O vice-presidente, Joe Biden, declarou em entrevista emitida hoje na emissora ABC que a economia se encontra em muito pior estado do que o inicialmente imaginado. O presidente eleito começou a debater com os líderes do Congresso, de maioria democrata, um plano de estímulo econômico com um valor muito superior ao pensado inicialmente e que poderia rondar os US$ 700 bilhões. O programa, que funcionários da equipe de transição abordaram esta semana com representantes do Congresso, pre...

"Este grupo de trabalho será um veículo que utilizaremos para garantir que nunca esqueceremos desse compromisso", afirmou.

O grupo, segundo Nick Shapiro, porta-voz da equipe de transição de Obama, terá como metas, entre outras coisas, a conciliação do trabalho e da vida familiar; a proteção da renda das famílias médias e a expansão das oportunidades educativas.

Além de Biden, a equipe será formada, entre outros, pelos secretários de Trabalho, Saúde, Educação e Comércio. EFE mv/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.