O mediador da crise em Honduras, o presidente costarriquenho, Oscar Arias, pediu neste domingo mais 72 horas aos protagonistas da crise política para reconduzir a negociação, após a negativa da delegação do governo de fato de Roberto Micheletti em aceitar sua proposta para o país.

"Quero receber 72 horas para continuar trabalhando, desta vez, de maneira mais árdua para ver se podemos realmente chegar a um acordo entre as partes em conflito", disse Arias, para quem a alternativa ao diálogo pode ser uma "guerra civil e um derramamento de sangue".

Arias disse que a delegação do presidente deposto Manuel Zelaya "aceitou a proposta na íntegra, o que não foi o caso da de Roberto Micheletti".

O "mapa do caminho" de Arias previa a restituição de Zelaya no poder, a criação de um governo de conciliação nacional composto por todas as forças políticas e que o presidente deposto desistisse de realizar uma consulta para convocar uma Assembleia Constituinte, entre outros pontos.

af/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.