verde , dizem especialistas - Mundo - iG" /

Crise e clima criam oportunidades para economia verde , dizem especialistas

Julio César Rivas. Montreal (Canadá), 9 jun (EFE).- A mudança climática e a crise financeira podem criar uma série de oportunidades para as economias de países desenvolvidos e emergentes, afirmaram especialistas no 15º Fórum Econômico Internacional das Américas.

EFE |

O secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o mexicano Ángel Gurría, disse hoje que os pacotes de estímulo fiscal lançados no auge da crise oferecem às economias do mundo uma ótima chance de se tornarem mais ecológicas.

Em termos similares se expressou Haruhijo Kuroda, presidente do Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD), que, com Gurría, participou das sessões do dia da Conferência de Montreal.

Kuroda afirmou que o vínculo entre energia e desenvolvimento sustentável é um dos maiores problemas de nosso tempo, "e, claro, uma grande preocupação para a Ásia e o Pacífico, onde, em particular, a mudança climática passou rapidamente" a ser prioridade.

"Sob meu ponto de vista, estas crises (financeira e ambiental) são uma oportunidade. Num momento em que os investimentos precisam desesperadamente estimular as economias, podemos utilizá-los em projetos de desenvolvimento limpo, que ajudarão minimizar a mudança climática", acrescentou.

O presidente e executivo-chefe da americana General Electric (GE), Jeffrey Immelt, foi mais explícito. "Verde é verde", afirmou, referindo-se aos investimentos em tecnologias limpas e sustentáveis, que, segundo disse, oferecem grande rentabilidade.

"Não sou um ecologista. Nunca fui de acampar. Digo isso com toda a honestidade. Sou um homem de negócios. Vejo que a demanda por energia dobrará nos próximos 20 anos. A China e a Índia comprarão mais gasolina que o resto do mundo nos próximos 40 ou 50 anos" explicou Immelt.

"Portanto, na GE, concluímos que queremos ter uma grande iniciativa em energia limpa", ressaltou.

Apesar das grandes oportunidades e benefícios que os investimentos em energias limpas e renováveis oferecem, Gurría advertiu que a gravidade da crise econômica atual pode fazer alguns Governos decidirem não apostar neles.

"Estes esforços a curto prazo para revitalizar a economia não deveriam ser feitos em detrimento, a longo prazo, do meio ambiente", acrescentou.

Immelt também alertou para os riscos que os países que não investirem em tecnologias renováveis correrão. Além disso, mostrou-se especialmente crítico em relação ao setor energético e ao papel dos Estados Unidos.

"Os investimentos tecnológicos no setor energético nos últimos 20 anos foram patéticos", disse Immelt, que comparou a falta de inovação do setor com as constantes mudanças no setor médico, onde "já estamos na oitava geração" de produtos.

Immelt ressaltou que, em termos de investimento, a GE vê um grande futuro na conservação e na eficiência energéticas, nos veículos elétricos e nas baterias, na energia nuclear e na captura de carbono.

Mas o diretor de GE ressaltou que os EUA ficaram para trás em todos estes campos e encara graves problemas.

"A China é líder em captura de carbono. A Europa, em energias renováveis. A França, em energia nuclear. O Japão, em baterias" disse.

Kuroda, por sua vez, disse que o BAD calcula que a região Ásia-Pacífico crescerá 3,4% este ano e que, em 2010, o crescimento chegará a 6%, o que permitirá maiores investimentos.

"E se administrarmos esses investimentos com sabedoria, poderemos ajudar a região a crescer com baixas emissões de carbono", afirmou.

EFE jcr/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG