Crise derruba primeiro-ministro do Haiti

O presidente do Haiti, René Préval, disse neste sábado que procurará um substituto para o primeiro-ministro Jacques Edouard Alexis, depois que o Senado aprovou uma moção de censura contra Alexis. Os senadores decidiram afastar Alexis depois de mais uma semana de protestos no país por causa do aumento dos preços dos alimentos e combustíveis.

BBC Brasil |

A moção foi aprovada logo depois de Préval anunciar que o preço do arroz será reduzido em 15%, como parte de um pacote para conter a alta dos alimentos.

Segundo o presidente, a redução será financiada em parte pelo setor privado e em parte por doadores internacionais.

Um desses doadores, a OEA (Organizaçação dos Estados Americanos) ofereceu quatro milhões de toneladas de arroz fortificado, numa tentativa de ajudar a conter os protestos que já deixaram mortos nos últimos dias.

Os protestos, às vezes violentos, começaram na semana passada em diversas cidades do país, depois que alimentos como o arroz sofreram aumentos de quase 100%.

Tropas da ONU foram chamadas para impedir saques e depredações e proteger o palácio presidencial.

Ainda neste sábado, um policial nigeriano integrante da missão da ONU no país, que é liderada pelo Brasil, foi morto neste sábado em Porto Príncipe, a capital do país.

O porta-voz da Missão de Estabilização da ONU no Haiti (Minustah) David Wimhurst disse por telefone à BBC Brasil que a situação se acalmou neste sábado após as iniciativas de Préval para conter a alta do arroz e do Senado para afastar o primeiro-ministro.

O governo de Préval foi formado em 2006 depois de eleições que se seguiram a dois anos de instabilidade detonados pela queda do então presidente Jean-Bertrand Aristide.

Estima-se que cerca de 80% da população do Haiti viva com menos de US$ 2 por dia.

Durante os protestos, parte dos manifestantes chegaram a pedir a renúncia de Préval.

    Leia tudo sobre: haiti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG