Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Crise de hipertensão deixa Lula de fora do Fórum Econômico Mundial

São Paulo, 28 jan (EFE).- Uma crise de hipertensão impediu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de iniciar hoje no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), a agenda internacional de seu último ano de Governo e o obrigou a ficar em repouso até segunda-feira.

EFE |

Lula passou mal ontem à noite no Recife onde depois de completar uma movimentada agenda teve que cancelar na última hora, por ordem médica, a viagem que faria à Suíça.

O presidente, de 64 anos, teve um brusco aumento na pressão arterial, razão pela qual os médicos desaconselharam a viagem e o internaram no Hospital Português do Recife, onde passou a noite e recebeu alta na manhã de hoje.

Vestido com roupa esportiva branca, Lula saiu do hospital andando sozinho, não sem antes posar para fotos com médicos e enfermeiras, e depois viajou para São Paulo, de onde foi para sua residência particular na vizinha São Bernardo do Campo.

O mal-estar obrigou o chefe de Estado a cancelar os compromissos que tinha até domingo. Nos próximos dias, deve passar por vários exames, segundo seus médicos.

"O presidente vai fazer um check-up, nem que seja amarrado pela orelha", disse a jornalistas o cardiologista Roberto Kalil Filho, que aguardou Lula no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

O estresse e o cansaço foram apontados inicialmente como as prováveis causas dos problemas de pressão do presidente, segundo seu médico pessoal, Cléber Ferreira, que o acompanha há cinco anos nas viagens.

"O presidente é uma pessoa saudável. Ele está bem", acrescentou Kalil a jornalistas após fazer um rápido exame no presidente ainda no aeroporto e assegurou que a pressão arterial de Lula está sob controle.

No ano passado, Lula não fez seu tradicional check-up completo no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Fontes do Governo disseram que o presidente já tinha dado demonstrações de que estava "cansado e indisposto" durante sua participação em um jantar oferecido ontem à noite pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Horas antes, durante a inauguração de um centro médico em Recife, Lula brincou ao dizer que não estava muito bem, mas disse que não queria ser o primeiro paciente do lugar.

A ausência de Lula em Davos foi lamentada pelos organizadores da reunião. O fundador e presidente-executivo do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, desejou ao presidente uma "rápida recuperação".

Lula receberia amanhã em Davos das mãos do ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan a primeira edição do prêmio Estadista Global, com o qual os organizadores do fórum o homenagearão por seus oito anos de mandato.

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, que representará Lula na homenagem, assegurou hoje em Davos que "supõe" que o presidente deve estar "frustrado" por não poder transmitir sua mensagem no evento que reúne a elite da economia mundial.

"Eu acho que deve estar frustrado. Não por não poder receber o prêmio, embora sempre seja bom, mas por não poder vir aqui pessoalmente trazer sua mensagem. Sua mensagem sobre Governo global, sobre o Brasil, sobre o que o Brasil fez para enfrentar a crise e também outros desafios, como a fome e a saúde", explicou.

Na terça-feira passada, em discurso no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, Lula anunciou que em Davos, apesar do prêmio, pretendia "jogar na cara dos países mais ricos" a crise financeira e o "abandono" do Haiti. EFE wgm/bba

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG