elevou desconfiança sobre práticas do setor privado , diz Transparência - Mundo - iG" /

Crise elevou desconfiança sobre práticas do setor privado , diz Transparência

Um relatório global da organização não-governamental Transparência Internacional indica que o setor privado é cada vez mais alvo de desconfiança em decorrência de suas práticas para realizar negócios. A impressão está retratada no relatório Barômetro Global de Corrupção, que ouviu cerca de 73 mil pessoas em 69 países do mundo.

BBC Brasil |

O Brasil não está entre os oito latino-americanos pesquisados.

Entre este relatório de 2009 e o último, divulgado em 2004, a percentagem de entrevistados que considera haver corrupção no setor privado pulou de 45% para 53%.

"Estes resultados refletem um público sensibilizado por uma crise financeira precipitada por regulamentações deficientes e falta de responsabilidade corporativa", afirmou a presidente da Transparência Internacional, Huguette Labelle.

Comparadas com os partidos políticos, o poder legislativo e judiciário e os funcionários públicos, as empresas são percebidas como as mais corruptas na Islândia, Luxemburgo, Dinamarca, Canadá e Países Baixos, entre outros países.

Má imagem
Entretanto, ainda são os partidos políticos as instituições mais vistas como corruptas entre os entrevistados.

Em resultados iguais aos de 2004, 69% dos entrevistados consideraram que os partidos são corruptos ou extremamente corruptos. Em seguida veio o poder Legislativo (61%).

Já a polícia foi apontada pelos entrevistados como a instituição "mais subornada" - quase um entre cada quatro ouvidos teve de desembolsar recursos para ter um serviço prestado ou evitar complicações com as forças policiais.

Os níveis de suborno se mostraram alarmantes quando a entidade pesquisou a percentagem de propina que os entrevistado pagaram nos últimos 12 meses. Em Serra Leoa este nível alcançou 62%; em Camarões e Uganda, 55%.

Puxada por Bolívia (30%), Venezuela (28%) e Peru (20%), a média latino-americana ficou em 10%.

Na região, três em cada cinco entrevistados consideraram como ineficientes as iniciativas governamentais para combater a corrupção. Os mais céticos são os argentinos, entre os quais mais de 80% expressaram essa opinião.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG