apaga bons prospectos para emergentes, diz jornal - Mundo - iG" /

Crise apaga bons prospectos para emergentes, diz jornal

Uma reportagem publicada nesta terça-feira no Wall Street Journal afirma que os prospectos para os mercados emergentes estão se apagando diante da crise mundial, que já se espalha por economias industrializadas e em desenvolvimento. O artigo expressa uma leitura amplamente divulgada nos principais jornais europeus e americanos - a de que os países emergentes, até então considerados mais preparados para enfrentar um futuro de instabilidade, não estão imunes à crise.

BBC Brasil |

"Embora muitos mercados emergentes ainda tenham prospectos mais cor-de-rosa que os Estados Unidos ou a Europa, eles agora enfrentam um ambiente drasticamente diferente daquele de alguns meses atrás", escrevem os repórteres do WSJ.

"Os preços das commodities, uma importante fonte de exportações das economias em desenvolvimento, tombaram. Ao mesmo tempo, os custos de empréstimos para as companhias aumentaram como parte da crise de crédito, dificultando seu acesso a capital."
O diário financeiro americano destaca a queda de 5,4% da Bolsa de Valores de São Paulo, em um dia em que as ações chegaram a cair 15% e o sistema de contenção de perdas foi acionado duas vezes. A queda de 19% da Bolsa de Moscou também foi destaque nas reportagens desta terça-feira.

Ao mesmo tempo, as moedas de países como o Brasil, a Turquia, a Coréia do Sul e o México, se desvalorizaram em relação ao dólar americano, à medida que investidores se desfaziam de ativos considerados de maior risco.

'Fundamentos'
Para o britânico Financial Times, a força com que a crise afetou os mercados em desenvolvimento "desfaz a idéia de que os maiores mercados emergentes de Brasil, Rússia, Índia e China - os Brics - estavam imunes à crise".

No entanto, diz o jornal, "as perdas recentes confundem os fundamentos em muitas destas economias, já que governos introduziram reformas cruciais" para fortalecê-las contra riscos econômicos.

Um investidor ouvido pelo jornal sintetizou o que seria esta "confusão": "Que economia é mais forte, a do Brasil ou da Itália? Os fundamentos econômicos ainda são mais fortes nas economias emergentes", afirmou, segundo o FT.

Desenvolvendo raciocínio na mesma linha, o The New York Times cita o caso do Brasil. Avalia que o país "fez mais que qualquer outro país na América Latina" para tentar garantir tranqüilidade diante de turbulências: acumulou reservas de US$ 200 bilhões e diversificou suas exportações para reduzir a dependência em relação à demanda nos Estados Unidos.

Passos semelhantes foram tomados por outros países emergentes - mas a "saúde relativa (dessas economias) inspira pouca fé nos mercados", lamenta o NYT.

"Muitas das economias mais dinâmicas do mundo pensaram que estavam imunes dos problemas no mundo desenvolvido. Mas economistas afirmam que uma turbulência simultânea na Europa e nos Estados Unidos é demais para suportar."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG