Cresce incidência de Aids entre usuários de drogas injetáveis

Por Michael Kahn LONDRES (Reuters) - A taxa de infecção do vírus HIV entre usuários de drogas injetáveis parece estar em ascensão, segundo estudo publicado na quarta-feira.

Reuters |

Estima-se que haja 3 milhões de usuários de drogas injetáveis soropositivos, segundo a compilação de estudos e de dados da ONU e de especialistas internacionais.

Essa pesquisa detectou o uso de drogas injetáveis em 148 países, e descobriu que em nove países esse tipo de paciente representa 40 por cento dos soropositivos: Estônia, Ucrânia, Myanmar, Indonésia, Tailândia, Nepal, Argentina, Brasil e Quênia.

"Os novos dados sugerem aumentos tanto no número de usuários de drogas injetáveis quanto na prevalência do HIV em usuários", disseram Kamyar Arasteh e Don Des Jarlais, do Centro Médico Beth Israel, de Nova York, em um comentário sobre o estudo publicado na revista médica Lancet.

Segundo eles, ainda há tempo para educar as pessoas em países onde o uso de drogas injetáveis é comum, mas o vírus ainda não começou a infectá-los em grande escala.

Seringas usadas podem transmitir o vírus da Aids, e os usuários de drogas também ficam mais propensos a outros comportamentos de risco, como o sexo sem preservativo.

Os pesquisadores estimam que em 2007 quase 16 milhões de pessoas tenham usado drogas injetáveis. China, EUA e Rússia lideram essa estatística. Segundo eles, há poucos dados da África, e o Sudeste Asiático, o Leste Europeu e a América Latina também despertam preocupação.

"O uso de drogas injetáveis ocorre na maioria dos países, e a infecção por HIV é prevalente entre muitas populações de usuários de drogas injetáveis, representando um grande desafio à saúde global", escreveram Bradley Mathers e seus colegas do Centro Nacional de Pesquisa com Drogas e Álcool da Austrália.

A pesquisa apontou grandes disparidades entre os países. Na Grã-Bretanha, por exemplo, 0,4 por cento das pessoas entre 15 e 64 anos já usaram drogas injetáveis, e 2,3 por cento delas têm Aids.

Na Espanha, a proporção de usuários é inferior, 0,31 por cento, mas quase 40 por cento deles têm o HIV, maior proporção da Europa, segundo os pesquisadores.

Mesmo tendo mais usuários, Austrália e Nova Zelândia mantiveram baixíssimos índices de contaminação, graças a adoção de programas de distribuição e troca de seringas e agulhas na década de 1980.

Eles também citaram com preocupação a rápida expansão da epidemia entre usuários estonianos nos últimos anos. "Há uma década, o HIV não era identificado entre pessoas que injetavam drogas na Estônia. Uma estimativa recente sugere que agora a prevalência do HIV em algumas populações tenha alcançado 72 por cento em uma amostra de usuários de drogas injetáveis."

(Reportagem de Michael Kahn)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG