Credores recusam oferta e deixam GM mais perto de concordata

Os credores da empresa automotiva General Motors recusaram nesta quarta-feira a proposta oferecida pela diretoria da companhia de ceder 10% das ações da empresa em troca do perdão de uma dívida de US$ 27 bilhões. A recusa dos credores - entre os quais figuram algumas das principais instituições financeiras americanas, como JP Morgan e Citigroup - deixou a montadora mais perto de um pedido de concordata.

BBC Brasil |

O governo americano, que por sinal agora controla cerca de 70% das ações da GM, deu até segunda-feira para que a empresa se reestruture ou entre com um pedido de concordata.

Entre as exigências feitas pelo governo à maior montadora americana estavam a redução de suas dívidas, o corte de gastos com mão de obra e o fechamento de fábricas.

A GM já recebeu, até o momento, um total de US$ 19 bilhões em empréstimos do governo.

A diretoria da companhia diz que se reunirá para decidir quais os próximos passos que serão adotados.

Braço europeu
Paralelamente aos eventos envolvendo a montadora da cidade americana de Detroit, o governo da Alemanha está perto de tomar uma decisão sobre qual companhia assumirá o controle do braço europeu da GM, a Opel.

O governo da chanceler Angela Merkel analisa ofertas da italiana Fiat, da companhia de autopeças canadense Magna e da chinesa Baic (Beijing Automotive Industry Corp), entre outras.

A empresa escolhida só deverá ser anunciada na próxima quarta-feira.

Chrysler
Em outro desdobramento, outra grande empresa automotiva americana, a Chrysler, parece em vias de estar completando os procedimentos necessários de seu pedido de concordata, antes do prazo previsto.

Acredita-se que a Justiça americana deve indeferir centenas de objeções e aprovar a venda da companhia para um grupo no qual se destaca a Fiat.

Menos de 30 dias após ter pedido concordata, a montadora aguarda a aprovação para vender a maior parte de suas operações para uma empresa que se chamaria ''New Chrysler'', controlada majoritariamente pela Fiat, uniões sindicais e pelos governos de Estados Unidos e Canadá.

Como parte do acordo, a companhia também pagaria um total de US$ 2 bilhões para seus credores.

Se conseguir cumprir a venda sem maiores transtornos, a empresa terá cumprido o prazo de 30 a 60 dias dado pelo governo americano para que a Chrysler se reorganizasse.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG