Cratera mexicana pode fornecer pistas sobre Marte

Por Jose Cortazar MÉRIDA, México (Reuters) - Uma cratera pré-histórica formada na colisão de um asteróide contra a península mexicana de Yucatán poderia fornecer pistas sobre como era Marte bilhões de anos atrás, afirmaram cientistas da Nasa (agência espacial dos EUA).

Reuters |

A geóloga planetária Adriana Ocampo, da Nasa, escava rochas enterradas a grandes profundidades no sul do México em busca de indícios que as crateras de impacto podem fornecer a respeito da formação de planetas.

Segundo Ocampo, o trabalho poderia revelar dados sobre uma cratera gigantesca existente na superfície de Marte.

Há décadas, os astrônomos perguntam-se a respeito da enorme cavidade existente na superfície do planeta vermelho -- a maior cratera conhecida do Sistema Solar -- e descobertas feitas no mês passado sugerem que a formação pode ter sido resultado do impacto de um asteróide do tamanho da Lua.

A cratera mexicana, conhecida como Chicxulub, apareceu quando um asteróide colidiu contra a Terra 65 milhões de anos atrás, gerando uma catástrofe responsável por dizimar metade das espécies de seres vivos do planeta e por talvez provocar a extinção dos dinossauros.

Ao estudar os destroços esparramados pela colisão, os cientistas podem encontrar perguntas sobre as mudanças radicais na atmosfera que resultariam do impacto de asteróides gigantescos, disse à Reuters Ocampo, uma colombiana que trabalha para o Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa. A pesquisadora estuda a cratera de Yucatán há uma década.

'Esse é um laboratório natural por causa dos pontos em comum que podemos encontrar em relação a planetas aos quais o homem não consegue chegar, como Marte', disse Ocampo a respeito da cratera terrestre.

A cratera de Marte, com 8.350 quilômetros de diâmetro, é tão grande que diminuiu a altitude de metade do planeta.

Já a cratera mexicana é muito menor, com 160 quilômetros de diâmetro e cerca de 800 metros de profundidade, e encontra-se atualmente tampada por rochas e terra acumuladas ao longo de milhões de anos.

Os dados coletados em Chicxulub poderiam fornecer pistas ainda sobre se havia ou não água na superfície de Marte muito depois de o planeta ter sido atingido pelo imenso asteróide.

Cientistas encontraram água congelada na superfície do planeta vermelho. Os mares de Marte podem ter desaparecido quando o planeta viu-se bombardeado por meteoros menores responsáveis por mudar sua atmosfera, secando aqueles mares, disse Ocampo.

A cientista procura por pontos em comum entre a cratera de Yucatán, formada quando o sul do México estava submerso, e crateras menores de Marte para ver se consegue detectar padrões semelhantes deixados pela água.

Os geólogos espaciais acreditam que o asteróide que atingiu Yucatán provocou um imenso tsunami.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG