O procurador da Corte Penal Internacional (CPI) acusou nesta quarta-feira o Estado sudanês de prosseguir cometendo crimes de guerra e contra a humanidade na convulsionada região de Darfur, e de não colaborar com o tribunal.

"O genocídio continua. As violações dentro e em torno dos campos (de refugiados) prosseguem. A entrega de ajuda humanitária segue bloqueada e mais de 5 mil deslocados morreram a cada mês", declarou Luis Moreno-Ocampo, durante uma apresentação no Conselho de Segurança da ONU.

Moreno-Ocampo pediu aos 15 Estados que integram o Conselho de Segurança que se preparem para um pedido de prisão, por parte dos juízes da CPI, contra o presidente sudanês, Omar al-Béchir.

Béchir é acusado de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra em Darfur, região do oeste sudanês abalada pela guerra civil desde 2003, que já deixou mais de 300 mil mortos, segundo a ONU.

hc/LR/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.