Costa Gavras apresenta fábula sobre emigrante clandestino na Berlinale

O diretor franco-grego Costa Gavras afirmou que a emigração clandestina é o grande drama de nossa época, mas em seu filme Eden à lOuest, exibido este sábado fora de competição no Festival de Berlim, decidiu abortar o tema como uma fábula.

AFP |

Elias, interpretado pelo italiano Riccardo Scarmacio, é um jovem moreno, procedente de um país indeterminado, que embarca ao lado de centenas de clandestinos em algum lugar do Mar Egeu, entre Grécia e Turquia, com a intenção de chegar a Paris em busca de melhores condições de vida.

Antes de alcançar o destino na cidade luz - a última cena se passa nas proximidades da Torre Eiffel - ele sofre aventuras de todo tipo, entre elas a de ser explorado sexualmente por uma alemã.

"Não é uma autobiografia, mas conheço muito esta aventura de deixar sua terra para ir a um lugar desconhecido em busca de uma vida melhor. É o grande drama de nossa época, um problema considerável", afirmou Costa Gavras, diretor de filmes célebres como "Z", "Estado de sítio", "Missing" e "Music Box", que venceu em 1990 do Urso de Ouro na Berlinale.

"Os emigrantes são perseguidos em toda a Europa. A Comissão Europeia aprovou recentemente um texto que ordena expulsá-los para seus países. Em nenhum momento menciona a necessidade de respeitá-los. Na França são expulsos anualmente entre 25.000 e 30.000 pessoas", declarou.

"Meu filme é uma fábula, onde inclusive mostro pessoas que tratam Elias bem, pessoas amáveis que o ajudam com comida, roupa e até dinheiro. Não quis dar um país preciso a este personagem para não ligá-lo a uma história nacional. É como uma criança, alguém que ignora tudo do Ocidente, onde pensa que vai encontrar o paraíso na Terra", completa.

jo/fp

    Leia tudo sobre: costa-gavrasfestival de berlim

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG