Costa Concordia ameaça afundar em 'abismo' no Mar Tirreno

Navio, seguro por rochas que não garantem sua estabilidade, poderia deslizar para depressão de 90 m pronta para engolir embarcação

iG São Paulo |

As águas do Mar Tirreno estão tão movimentadas que o cruzeiro Costa Concordia, que naufragou na sexta-feira perto da ilha de Giglio após se chocar com uma rocha, já se deslocou nove centímetros na vertical e um centímetro e meio na horizontal, ameaçando deslizar a um abismo de 90 metros no qual ficaria submerso a cerca de 150 metros da costa.

Reuters
Bote com membros da equipe de resgate próximo ao cruzeiro Costa Concordia, navega pelo mar Tirreno, na ilha de Giglio

"O navio fala e isso não é um bom sinal", disseram os submarinistas à imprensa. Eles penetraram nas entranhas da embarcação em busca de desaparecidos e para maior rapidez nas operações utilizam pequenas cargas de explosivos para abrir o navio por sua quilha .

Nesta terça-feira, foram encontrados mais cinco corpos , elevando o número de vítimas fatais de seis para 11. As autoridades confirmaram na noite desta terça-feira que 20 passageiros - incluindo alemães, italianos, franceses e americanos - continuam desaparecidos, além de quatro tripulantes - um italiano, um húngaro, um indiano e um peruano.

Continua entrando água no navio pelos 70 metros de abertura de seu casco, que a formação de rochas abriu como uma faca quando ele tentou navegar a cerca de 500 metros da ilha de Giglio.

Leia também:
Capitão ignorou ordem de retornar ao navio, diz imprensa italiana
Capitão se aproximou de Giglio para homenagear colegas, dizem jornais

Os prognósticos meteorológicos não encorajam as operações de resgate. Na quinta-feira, é prevista uma forte ressaca e há o temor entre os mais pessimistas de que o navio, inclinado 30 graus sobre seu lado direito, possa se afundar completamente, o que acabaria com toda a esperança de encontrar alguém ainda vivo.

"Em direção ao abismo", dizem integrantes da unidade de crise do porto da ilha de Giglio. As rochas que mantêm o cruzeiro seguro em três pontos não são suficientes para sua segurança e estabilidade. Do banco de areia de 37 metros profundidade, o navio poderia deslizar em direção a uma depressão de 90 metros pronta para engolir a embarcação, uma possibilidade que tornaria dificilíssima a extração do combustível, 2.380 toneladas contidas em 17 cisternas na popa.

Os helicópteros sobrevoaram a região e avistaram algumas manchas, que poderiam ser de combustíveis leves e pertencer a lanchas locais, com o que acredita-se que seriam de fácil evaporação, segundo os especialistas. Trata-se de uma corrida contra o tempo para tirar o combustível, uma operação que poderia durar não menos que duas semanas.

O ministro italiano de Meio Ambiente, Corrado Clini, pediu à companhia Costa Cruzeiros que apresente nesta quarta-feira o plano previsto para esvaziar o depósito, e em dez dias, o programa para tirar o navio do ponto no qual se encontra.

Saiba mais: Itália deve declarar estado de emergência na área de naufrágio

A companhia holandesa Smit, que flutuou o submarino nuclear russo Kusk, que afundou em agosto de 2000, pretende flutuar e salvar o navio para depois rebocá-lo a um porto ainda não anunciado. Mas, para isso, é primordial tirar o combustível. As operações a cargo da companhia holandesa começarão na próxima semana, mas tudo "depende da estabilidade do navio", uma vez que dada a densidade do combustível, ele deve ser aquecido antes de extraído.

Para poder trabalhar a 40 metros de profundidade, é necessária uma complexa estrutura que inclui uma câmara hiperbárica para a recuperação dos mergulhadores após as imersões, assim como um recinto fechado apoiado sobre uma plataforma, no qual os submarinistas possam permanecer entre 7 e 15 dias, e uma cápsula móvel utilizada como elevador.

Os primeiros geradores de calor e os aparatos necessários para tirar o combustível já chegaram à ilha. Trata-se de evitar um desastre ecológico cuja magnitude seria não apenas para a ilha de Giglio, mas para todo o arquipélago toscano. Segundo os especialistas, se a recuperação do combustível for realizada sob a água, poderia acontecer um desastre ecológico.

A região onde aconteceu a tragédia é muito rica em tesouros paisagísticos e naturais, e até suas águas hospedam um santuário de cetáceos. Caso o cruzeiro afunde completamente, também formaria parte da paisagem marinha do arquipélago toscano já que passaria a ser o maior dos destroços do Mediterrâneo.

O lugar do naufrágio está protegido desde 1996, por estar dentro do Parque Nacional Arquipélago Toscano.

Com EFE

    Leia tudo sobre: costa concordiaitáliacruzeironaufrágio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG