Cosmonautas russos da ISS iniciam caminhada espacial

Moscou, 15 jul (EFE) - Os tripulantes russos da Estação Espacial Internacional (ISS), Serguei Volkov e Oleg Kononenko, iniciaram hoje uma caminhada espacial para instalar novos equipamentos científicos no segmento russo da plataforma.

EFE |

Os cosmonautas abriram a escotilha de saída da porta Pirs às 14h08 de Brasília, como estava programado, disse um porta-voz do Centro de Controle de Vôos Espaciais da Rússia à agência "Interfax".

Está previsto que a caminhada espacial de hoje, a quase 400 quilômetros da superfície terrestre, tenha uma duração aproximada de seis horas, o tempo assegurado pelas reservas de oxigênio dos escafandros.

Volkov e Kononenko devem colocar no casco do segmento russo Zvezda um mecanismo de referência para o acoplamento de um módulo científico que será enviado à estação no próximo ano.

Esta tarefa ficou pendente da caminhada espacial que os dois astronautas realizaram na última sexta-feira, no curso da qual retiraram um dos eixos explosivos do mecanismo de descida da nave "Soyuz", ao lado da plataforma orbital.

O objeto será levado à Terra para ser examinado pelos especialistas.

Segundo a Roscomos, a agência espacial russa, a ativação errada de um desses eixos causou a descida descontrolada, em queda livre, das duas últimas naves "Soyuz", em outubro de 2007 e abril deste ano, com o conseguinte risco para os tripulantes pelas sobrecargas de aceleração.

O plano de trabalho da caminhada de hoje inclui a instalação de um aparelho chamado Vsplesk, que será utilizado em um experimento relacionado com o prognóstico de tremores de terra, e de uma plataforma que permitirá fixar os pés dos cosmonautas, para que tenham as mãos livres.

Além disso, Volkov e Kononenko retirarão um contêiner do equipamento Biorisk, empregado nas experiências para estudar o impacto dos fatores do espaço cósmico nos microorganismos.

Como é comum nestes casos, o terceiro tripulante da ISS, o americano Greg Chamitoff, supervisionará o trabalho dos companheiros da nave "Soyuz".

Essas naves, acopladas à ISS à espera do final de cada expedição e da chegada da substituta, servem também de lanchas salva-vidas, pelo que Chamitoff, em caso de qualquer imprevisto, estará pronto para recolher os russos e voltar à Terra. EFE si/an/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG