Corte militar palestina condena oficial à morte por colaborar com Israel

Ramala, 28 abr (EFE).- Um tribunal militar da Autoridade Nacional Palestina (ANP) na Cisjordânia condenou hoje à morte um oficial de segurança acusado de alta traição por colaborar com Israel, disseram fontes jurídicas palestinas.

EFE |

O acusado, Imad Mahmoud Saad, de 23 anos e oriundo da cidade cisjordaniana de Hebron, foi detido em agosto de 2007 por efetivos policiais palestinos, sob suspeita de ter colaborado com os serviços de inteligência israelenses.

Saad é acusado de ter oferecido informações ao serviço secreto israelense Shabak sobre o paradeiro de quatro jovens milicianos, membros das Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, executados por forças de segurança israelenses.

Os juízes do tribunal determinaram que o acusado seja executado por um pelotão de fuzilamento, decisão que precisa ser aprovada pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas.

No entanto, a Corte deu um prazo de duas semanas aos advogados de defesa do acusado para que possam apresentar novas provas, antes de enviar a sentença do caso a Abbas. EFE fn/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG