La Paz, 25 jan (EFE).- A Corte Nacional Eleitoral (CNE) da Bolívia deu início hoje ao referendo sobre a nova Constituição do país, para o qual estão convocados mais de 3,8 milhões de bolivianos.

Na consulta, a população vai dizer se aceita ou não o texto constitucional defendido pelo presidente Evo Morales, que propõe uma Bolívia plurinacional, voltada para a integração indígena e social, com autonomias e com uma economia "estatizada".

Antes de votar em uma escola do Chapare, no centro do país, Morales disse que, pela primeira vez na história, um texto é levado a referendo na Bolívia.

Em declarações a uma emissora de rádio dos cocaleiros, Morales pediu ao povo que vote "conscientemente".

Na abertura da jornada de votação, o presidente da CNE, José Luis Exeni, disse em La Paz que hoje termina a fase iniciada em 1990, quando indígenas do leste do país organizaram uma manifestação para pedir uma nova Constituição.

O referendo deste domingo na Bolívia acontece em 2.816 colégios eleitorais. As urnas ficarão abertas por oito horas, até as 16h (18h de Brasília). EFE ja/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.