Corretores gramaticais são condenados por danificar cartaz histórico nos EUA

PHOENIX - Quando o assunto é um cartaz histórico, correção gramatical pode não ser uma boa defesa.

AP |

Dois vigilantes da língua inglesa que alteraram um cartaz de mais de 60 anos, pintado à mão pela arquiteta responsável por um observatório do Grand Canyon foram sentenciados a um ano fora dos parques nacionais.

Jeff Deck e Benjamin Herson confessaram a culpa no dia 11 de agosto pelos danos feitos no dia 28 de março no observatório do deserto localizado no parque nacional do Grand Canyon. O cartaz foi feito por Mary Elizabeth Jane Colter, a arquiteta que criou o rústico observatório em 1930.

Deck e Herson, ambos de 28 anos, viajaram pelos Estados Unidos nesta primavera, corrigindo erros em placas e cartazes governamentais e particulares. Eles foram entrevistados pela NPR e pelo jornal Chicago Tribune, que os chamou de "parceiros Kerouacs armados com canetas e apagadores para descarregar sua indignação".

Na ação, o agente do parque nacional Christopher A. Smith disse que os investigadores ficaram sabendo do vandalismo através do website operado por Deck em nome da Liga de Erradicação dos Erros Gramaticais, ou TEAL na sigla em inglês.

As autoridades disseram que um diário escrito por Deck contava que enquanto visitavam o observatório, ele e Herson "descobriram um cartaz feito à mão que, sinto em informar, continha inúmero erros".

O cartaz de fibra de vidro tem letras amarelas sobre um fundo negro. Deck escreveu que eles usaram um marcador preto para esconder uma apóstrofe errada, a colocaram no lugar certo com uma corretor branco e acrescentaram uma vírgula.

Leia mais sobre gramática

    Leia tudo sobre: apgramática

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG